Sejam todos bem-vindos! Não perca tempo e se registre!

Nós lhe damos as boas vindas
ao nosso mundo de magia.

Nosso RPG está cheio
de tramas e diversão.

Venha participar para ver
o que esse mundo mágico
tem a te oferecer. Se registre logo e não perca tempo de entrar neste mundo mágico.


Sejam Bem-Vindos, Estamos na fase de Re-Abertura...
 
InícioCalendárioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Fanfic: Stevan

Ir em baixo 
AutorMensagem
Douglas Keller
Coordenador de Hogwarts
Coordenador de Hogwarts
avatar

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 96
Experiência : 179
Idade : 28
Cidade Natal : Roma

Perfil Bruxo
Período: Concluído

MensagemAssunto: Fanfic: Stevan   Sab 19 Maio 2012, 13:10

Sumario
1° - O Confronto 2° - O Novo Rei
3° - A Perseguição 4° - O Plano
5° - 6°-
7°- 8°-
9°- 10°-
11°- 12°-
13°- 14°-
15°- 16°-
17°- 18°-
19°- 20°-
21°- 22°-
23°- 24°-
25°- 26°-
27°- 28°-
29°- 30°-






O Confronto (1° Capitulo)
Há uns mil anos atrás criaturas começaram a surgir no mundo primeiramente foram os lobisomens, logo após os vampiros, terceiro os transformistas, os feiticeiros e por fim os bruxos, com estas descobertas o mundo ficou dividido em grandes batalhas até às vezes chegava à guerra e ainda havia os humanos que suas únicas habilidades eram caçar e matar. Após 20 anos de batalha o reino dos Kingsley acabou ao oeste mais tempos depois eles dominaram o Sul e hoje é novamente a grande realeza do Sul, mais ao norte da muralha reina uma família muito mais poderosa os Daisuke reinam a mais de 300 anos.
Em uma tarde fria fazendo -4 graus, uns garotos saíram de um barraco velho entre as montanhas o mais baixo segurava uma grande espada forjada por duendes obviamente, havia em seu punhal uma pedra de diamante azul claro, os garotos estavam treinando duelos com suas espadas, o menino empunhou a espada e seu oponente fez o mesmo movimento, o duelo tinha dado inicio Bernard o garoto que estava com a espada de prata com o diamante e o outro era Steven com a espada forjada por elfos nada muito especial ela era somente prata mais a sua fibra era muito resistente, o primeiro golpe foi de Steven que jogou o braço que segurava a espada para cima e depois descendo com um movimento suave e assim a espada bateria na cabeça de Bernard que logo botou a espada em guarda posicionando as mãos pouco acima da testa fazendo ambas as espadas se chocar, Bernard elevou a perna direita e rapidamente aplicou na coxa esquerda de seu irmão um chute reto, Steven foi jogado para o chão Bernard pulou e tentou cravar a espada no peito de seu irmão que foi obrigado a rolar para o lado deixando sua espada para trás o treino foi interrompido por um homem alto e velho com barba comprida e mal cuidada
-Parem com isso
Falou o velho ancião da aldeia o Sr. Johnny Von Horn - Bernard guardou a espada e ajudou seu irmão a levantar-se - Desculpe meu pai era só um treino- Bernard fez uma reverencia educada ao falar, seu pai baixou a cabeça, os irmãos entraram no pequeno barraco eles eram os reis da aldeia dos três irmãos de Johnny, Bernard era o que seu pai mais gostava, Robert tinha inveja do irmão mais velho Steven apenas 10 anos está sempre atrás de Bernard como um cachorrinho até na escola no mundo humano. Os filhos da casa Von Horn foram dormir cedo, pois pela manha havia aula, 05h45min da manha Bernard vestiu seu uniforme tradicional da escola camisa e calças azuis, descendo as escadas seu irmão Steven já terminou seu café
-Maninho você dormiu de mais hoje, mamãe disse para você tomar café eu vou escovar os dentes.
Steven alertou o irmão e depois correu para um banheiro pequeno e feito de madeira, Bernard tomou o café botou o terno e arrumou sua gravata parecia um executivo mais no mundo humano ele tinha que estudar em colégio de ricos mesmo a família sendo humilde tinham condições de manter a escola 900 por mês dos três filhos mais livros e outras coisa.
-Hoje o primeiro dia de aula na escola nova como será?
Perguntou Steven que dava a impressão de querer pular do carro quando chega se na escola, ao chegar o menino olhou ela por inteiro era realmente grande dois prédios enormes de cor azul fraco, uma menina parecendo asiática aproximou se de Bernard e de seus irmãos
-Sejam bem vindos a School Lesh, sou Sarah Selaym estou no 1° ano e pelos seus trajes também esta no 1° ano. Siga-me
Sarah puxou Bernard pelo braço e o levou para o prédio que havia um grande número 2 em sua frente dentro dele era tudo muito iluminado muitos alunos olhavam Bernard mais uma das garotas atraiu o garoto ela estava parado em frente da porta de uma sala de aula, Sarah puxou Bernard para a classe que não estava ocupado ela se sentou do lado do mesmo passando rapidamente todos os horários de aulas.
-Obrigado, então agora é química?
Ela riu para Bernard que ficou até envergonhado ela afirmou com a cabeça ai Bernard pode reparar que os olhos dela eram lindos castanhos claros seus cabelos mais belos do que seu lindo olhar, o professor entrou na sala sentou-se em frente a sua mesa largou a pasta e observou Bernard calmamente dos pés a cabeça
-Você é o aluno novo que todos estão falando
Perguntou o professor olhando para mim falou mais uma vez
–Venha aqui na frente menino.
Bernard se levantou timidamente da mesa e se aproximou do quadro divagar, quando chegou ao lado do professor, o mesmo ficou em pé cautelosamente apertou a mão de Bernard e me olhou nos olhos quando ele obrigou Bernard a olhar a turma toda, ele observou a garota que sentava atrás dele, era ela que o garoto havia visto na entrada
-Muito bem, quero que se apresente irei escrever algumas perguntas no quadro e você ira responder a todas
O professor começou a escrever no quadro a primeira pergunto era, qual seu nome completo, qual nome de seus pais, de que cidade pertence. Bernard começou a responder a primeira pergunta (Bernard Von Horn) depois foi para segunda (Johnny e Aline) e agora a ultima (Orlando Florida). Todos começaram a falar seus nomes em ordem de modo que o professor perguntava depois das apresentações Bernard sentou em seu lugar e o sinal de troca de período bateu Bernard se debruçou sobre a mesa esperando a professora de historia.
-Olá a todos. Seja-Bem Vindo Bernard, Mayara vá à secretaria e pegue dois livros dos mitos gregos e romanos, sou a professora Cristiane, me chame de Cris!
A professora era bela, mais Bernard não sabia o porquê de terem que estudar no meio dessas pessoas e se ele perde-se o controle e acaba-se matando alguém, Bernard não ligou até sentir o cheiro de sangue da garota que tropicou em uma mesa e cortou a perna direita na coxa, o cheiro de sangue deixou Bernard meio confuso.
-Eu a levo para a ala hospitalar da escola
Quando Bernard tirou seu terno e pegou Mayara em seus braços apertando contra seu corpo, Bernard andou divagar entre os corredores da escola olhando cautelosamente para onde ir mais ele se guiava pelo cheiro forte de sangue da ala hospitalar, Bernard observou se a garota estava mesmo desmaiada e se havia alguém a sua volta então a velocidade com que ele correu foi incrivelmente anormal, Bernard entrou na sala iluminada e branca botou Mayara deitada na mesa o doutor Lalau Striker veio na direção de Bernard botando suas luvas brancas e sorrindo
-O que aconteceu?
Perguntou o médico sorrindo para Bernard, o menino teve alguns segundos para suspirar mais o cheiro de sangue era insuportável ele trancou a respiração com a mão ajeitou a menina na maca e saiu da sala sem dar a resposta ao medico. Bernard sentou-se em uma mesa do refeitório esperando outra vez o sinal do recreio, quando o sinal tocou os alunos do prédio dois e um saíram de pressa para sentarem em uma mesa quando Bernard avistou seu irmão Robert e Steven, ele os viu se aproximar rapidamente Steven sentou-se perto de Bernard, Robert sentou-se algumas cadeiras de distancia. Bernard sentiu o cheiro de Mayara chegando à mesa de seus amigos ela não parava de cuidar Bernard, isto o deixava tímido quando menos esperava um aluno do 2° ano chegou perto dos irmãos
-Então ai está o novo aluno maravilha
Debochou de Bernard o aluno Maxwell Willians
–Veja, ele tem duas cadelinhas com ele
Uma menina que estava do lado dele riu baixo ela se chamava Alice Smith, Bernard ficou em pé Steven o segurou pelo pulso
-Vejam ele não só tem um cachorro como também tem um mini-segurança.
Outra piadinha tosca está Bernard não agüentou então elevou seu punho socando o nariz de Maxwell com um simples JAB, o grandalhão não quis deixar assim então tentou chutar o ombro do garoto que se abaixou e chutou a perna do grandão o fazendo cair.
-Nos deixe em paz, por favor.
Robert pediu a Maxwell, o grandão saiu do refeitório dirigindo se para o pátio, Bernard andou cautelosamente em direção do pátio ele, saiu para o lado de fora do portão, encostou-se no seu carro esporte, quando Bernard viu Maxwell sair da escola e ir para um beco sem saída sozinho o garoto voltou para a escola, pois, o recreio tinha acabado entrando na sala Bernard observou que a menina Alice também era de sua turma, Bernard sorriu para ela e percebeu que todos os olhares da sala eram nele quando um garoto loiro se aproximou de Bernard estendeu a mão para Bernard que copiou seu gesto
-Olá sou James Daisuke não sei se é você mesmo o Bernard do clã Von Horn.
Ao Terminar a frase Bernard fez que sim com a cabeça afirmativamente
– Eu sou o príncipe do clã Daisuke.
Bernard ficou surpreso ao saber que não era o único da sala com habilidades especiais na verdade Bernard era um vampiro super talentoso.
Bernard sentou-se perto de James ambos ficaram conversando sobre estabelecer a paz no mundo deles ao qual não foi decretado um nome exato, Bernard deu a idéia de criar um grupo poderoso para domínio geral deste grupo, ou seja, um novo clã que derrote os Kingsley e os Daisuke para que os dois dominem o Sul e o Norte, Bernard se levantou quando o sinal do ultimo período bateu, James saiu ao lado de Bernard ambos conversavam sobre o nome do clã e a mudança de seus nomes Von Philips seria o nome. Bernard e James Von Philips. Bernard e James estavam sentados no carro de Bernard era uma Ferrari vermelha, Mayara avistou Bernard foi a sua direção sorrindo, com um curativo na perna.
-Como você está se sentindo
Perguntou Bernard olhando os olhos dela mais desviou o olhar ao perceber que ela olhava os seus o garoto desviou o olhar, Mayara tocou o braço de Bernard mais tirou rapidamente
-Você é tão frio, eu estou bem. Mais eu senti você está gelado!
Falou ela com um tom de assombrada
–Você está gelado como gelo uma pedra de gelo
Ela balançava a cabeça negativamente.
-Vamos Bernard temos mais o que fazer, deixa essa bobinha para lá, ok!
James riu debochadamente de Mayara a mesma fechou as mãos em punho e socou o rosto de James. James rosnou alto quando ele foi para pular em cima de Mayara, Bernard o segurou antes que ele deixa-se a raiva o controlar
-Chega os dois! Não me toque mais assim Mayara, e agente se vê ama...
Um estrondo atrapalhou a fala de Bernard um acidente de burros, dois alunos haviam se chocado um com outro e um gritou alto, Alice Smith chegou do lado da Ferrari de Bernard.
-Bernard vai à minha festa de 16 anos, vai ser bem legal. Oi Mayara, é amanhã depois da escola no dormitório numero 251. Tchau beijo.
Bernard desviou-se do beijo que Alice ia lhe dar no rosto
- Bernard o que foi não pode beijar seu rosto?
Alice perguntou com os olhos semi-fechados
-Desculpa melhor não
Alice parecia decepcionada com a resposta, quando Bernard reparou Mayara estava ainda olhando James com fúria
– Esta bem, vamos James não tenho mais nada para fazer aqui
Bernard informou James, o garoto sentou-se direito no banco do carro e ao sair Mayara não parou de cuidar Bernard
-Bernard seus irmãos lhe apoiariam nesta organização.
James olhava o por do sol quando Bernard estacionou na frente do dormitório masculino
-Por que agente veio de carro?
Perguntou Bernard com um sorriso debochado no rosto
-Te juro também não sei era só anda uns 150 metros
Os dois riram auto mais a risada de James parou quando Maxwell chegou perto do carro
– Vai embora Max, ele é um vampiro e você um elementista você morreria contra ele então fique quieto na sua
O que James disse não agradou muito Max
-Então é por isso que ganhou de mim hoje, desculpe novato logo saberá quantos de nos tem na escola.
Max entrou no dormitório de cor metade rosa e metade azul
-Então tem mais de nos na escola é, gostei!
Bernard sorriu para James maliciosamente
–Meu dormitório é o N° 250 no sexto andar
Bernard alertou James e o puxou pelo braço até seu dormitório, chegando lá estava tudo vazio apenas as coisas dos meus colegas de quarto são seis alunos por quarto, no meu quarto para minha sorte havia Steven, Robert, outros três alunos e o James, Bernard acenou para os três alunos que ficaram de pé eles não tinham cheiro de sangue, mais um aroma normal.
-Sou Gregory Phunfrey, estes são Jeff Hell e Patrick Will.
Gregory, Jeff e Patrick não quiseram tocar Bernard isto foi muito suspeito, James segurou Patrick pela blusa Steven empurrou Jeff no chão Bernard derrubou Gregory com um soco forte.
-São vampiros todos os três nos também somos.
Bernard riu ajudou Gregory a se levantar, James soltou Patrick e Steven saiu de cima de Gregory.
-Então temos novos amiguinhos
Bernard fez que sim, o menino saiu do quarto 250 e foi treinar com sua espada que estava guardada em sua mala de viagem, o estrondo da porta do dormitório atrapalhou o treino de Bernard ele foi obrigado a se esconder para que não vejam que ele tinha uma espada, o aluno que saiu do dormitório era Maxwell ele também veio para treinar, Bernard decidiu sair de seu esconderijo
-Maxwell treinando essas horas
A chama que Max fazia com o domínio do fogo era incrível mais tinha seus defeitos ele não podia criar o fogo só controlar como fazê-lo diminuir e aumentar seu tamanho
-Acho que sim, então está é sua espada. Um dos poucos vampiros que usa uma!
Afirmou Maxwell observando a espada ela refletia o fogo criado por Max.
-Sim, não admiro muito o uso da força bruta e sim de uma habilidade infalível em combate mais a força sempre me ajudou nos combates
Bernard sorriu ao prender a espada em sua cintura
–Tenho que ir
Bernard entrou correndo para dentro do dormitório, procurou o cheiro de Mayara em algum dos dormitórios, Bernard abriu a porta do quarto numero 247 lá estava ela deitada em sua cama dormindo o menino sentou-se do lado dela e acariciou os lindos cabelos de Mayara, ela estava acordada mais com os olhos fechados quando ela abriu os olhos Bernard caiu da cama com o susto
-Você esta bem?
Perguntou Mayara exaltada.
-Desculpe-me, por que não quis falar comigo hoje cedo.
Mayara puxou Bernard para cima da cama o abraçando forte pelas costas, apertando onde doía em Bernard e massageando.
-Obrigado, eu nem sei por que, mais agora podemos nos falar
Bernard riu baixinho ao se soltar de Mayara, quando Bernard se soltou dela percebeu que ela só usava um short jeans e um sutiã vermelho.
– Uou, então você já sabe que existe pessoas estranhas nesta escola?
Mayara sentou-se na cama e afirmou com o balanço da cabeça
-Você é um vampiro estou correta?
Bernard confirmou novamente, Mayara tirou da sua bolsa de viagem uma espada toda de prata pesando uns 2,5KG
– Gostou dela, está é a sua é linda!
Mayara olhou com olhos de admiração pela espada
-Sim está é a minha ela se transforma em uma caneta
Bernard fez com que sua espada virasse uma caneta de prata pesando 3,0KG
-Você tem poderes ou algo do tipo?
-Claro, eu sou filha de Atena Deusa da Sabedoria e da Arte da Guerra, e você da Nyx Deusa da Noite
Bernard ficou surpreso em saber que ela era forte e super inteligente
-Eu vou reunir todos os alunos com habilidades e fazer um jogo entre alunos o jogo se chamara Guerra Entre Reinos.
Bernard sabia que isto não seria apenas um jogo seria real
-Conhece alguém com Habilidades?
Ela fez que sim com a cabeça e sorriu
-Todos, todos os alunos tem poderes professores e tudo mais nesta escola só entra alunos com habilidades assim
Bernard se surpreendeu novamente
-Sabe, eu não pude te agradecer por ter me levado para a ala hospitalar.
Ela suspirou
-Não foi nada
Bernard sorriu ao vela ficar em pé, e abrindo um armário branco com a foto de algumas pessoas, de dentro do armário retirou uma câmara fotográfica bateu uma foto de Bernard depois guardou a câmara novamente no pequeno armário
-Não pensei em nada para te dar a não ser...
Mayara puxou o braço de Bernard o colou em seu corpo seminu e o beijou, Bernard botou a mão na cintura dela retribuindo seu beijo, Bernard foi empurrado na cama Mayara deitou em cima dele o beijando bastante, Bernard girou seu corpo a botando em baixo dele, Mayara tirou a blusa de Bernard, o garoto pegou a própria blusa, e jogou no chão, depois beijou o pescoço de Mayara e lhe deixou um belo chupão, Bernard tirou o Short que Mayara estava usando agora ela estava completamente seminua, Mayara sorriu ao olhar os olhos de Bernard, o garoto tirou o sutiã dela, ela tentou tirar a calça de Bernard mais ele recuou rapidamente em uma velocidade enorme para fora da cama.
-Me desculpa não estou pronto para isso
Bernard tentou sair do quarto mais foi segurado por Mayara
– São três e meia você precisa dormir logo estará no horário de ir para aula.
-Não, por favor, fique!
Mayara apertou o braço de Bernard para que ele não fosse embora –Fique aqui comigo eu prometo que durmo se você ficar- Mayara sorriu ao ver que Bernard se sentou ao lado da cama, Mayara obrigou Bernard a deitar-se, Mayara adormeceu em uns vinte minutos depois.
O dia já havia amanhecido Bernard estava parado na frente da janela esperando Mayara acordar, Bernard nem havia notado que Mayara não tinha companheiros de quarto, o menino acordou a Mayara com alguns cutucões e balançadas no braço.
-Acorda Mayara.
A garota olhou o relógio ficou em pé rapidamente vestiu-se, Bernard ria de como a garota era atrapalhada
– Lave o rosto e escove os dentes
Debochou Bernard
–Eu arrumo sua mochila.
Bernard pegou uma mochila rosa que Mayara usava para ir, para escola.
–Vamos?
Perguntou Bernard depois de pronto ela só afirmou com a cabeça os dois saíram dos dormitórios de mãos dadas até a sala de aula muita gente que passava olhava os dois alguns não davam bola, Bernard pode perceber a raiva nos olhos de Sarah ao ver Mayara abraçada em Bernard. Chegando na sala de aula eles sentaram um do lado do outro e no quadro havia as seguintes equações
x=(-b±√(b^2-4ac))/2a
-Nossa isso é um pé no saco
Comentou James que sentou ao lado esquerdo de Bernard
-James fica quieto sério mesmo, você é um pé no saco
Sarah o encarou quando sentou se na frente de James, Alice sentou-se do lado de Sarah, Maxwell chegou abraçado na menina Clara uma garota muito linda que usava óculos filha de Afrodite e por ultimo a chegar na aula foram os alunos Jeff, Patrick, Gregory e Luana, todos sentaram na volta de Bernard.
-Então é verdade, você ira criar uma reunião dos alunos da 7° séria até o 3° ano para criar um jogo de batalhas entre clãs, maneiro eu quero participar do seu clã
Luana cochichou no ouvido direito de Bernard, o garoto virou-se afirmando positivamente com a cabeça
–De mais!
Luana exclamou se ajeitando na cadeira de postura correta
-James meu amor senta aqui
Alice apontava para cadeira ao seu lado, James balançou a cabeça negativamente
-Senta você aqui
Todos os alunos mudaram seus lugares e ficou em uma fileira um do lado do outro, na ponta esquerda estava Maxwell, Jeff, Patrick, Gregory, Luana, James, Alice, Bernard, Mayara, Sarah, Clara, Edward, Agatha, Thiago e Yasmin. Este era o grupo de Bernard os Von Keller
-Muito bem o clã está pronto
Bernard sorriu olhando a professora de geografia entrar e a de matemática sair, James ficou bastante animado até que gritou bola de fogo, Maxwell com um movimento jogou uma bola de fogo contra a professora de geografia que criou uma barreira de água
-Da onde, esse diabo tirou fogo?
Perguntou Agatha, todos riram da pergunta
-Fui eu!
James mostrou o isqueiro, a professora começou a rir
-Eu tirei água da umidade do ar.
Mayara gargalhou
-Isso agente já sabia
Sarah que nunca gostou de Mayara
-Não mesmo só você o senhora sabichona.
Mayara que segurava a mão de Bernard apertou a mesma com força, Bernard deu um pequeno grito de dor
-Chega as duas, mais que merda
Ao bater o sinal do recreio Mayara foi para o banheiro e Sarah para um local que havia na escola que tinha a forma de um grande castelo dividido em três grandes partes prédio um prédio dois e prédio três o numero três era os dormitórios
-Bernard venha aqui.
Sarah andava na frente de Bernard quando eles entraram em uma espécie de deposito, Bernard a seguiu em sua velocidade normal
-O que você quer comigo Sarah? A Reunião começara daqui a10 minutos!
Sarah puxou Bernard para um beijo, o garoto botou a mão direita abaixo da cintura dela e a outra acima da cintura. Bernard beijou o pescoço dela, ela empurrou Bernard
-Para, para o que eu estou fazendo? Se o Ricky descobri eu estou ferrada!
Sarah tentou sair mais Bernard a segurou pelo pulso direito, e a puxou para um abraço forte lhe dando outro beijo.
-Ele não saberá de nada.
Bernard sempre soube como entrar na mente da pessoa, e persuadir a mente sem muito esforço.
-Isto é uma insanidade eu não posso amar você apenas um dia depois que te conheci, mais você é muito lindo!
Sarah saiu pela porta indo em direção ao local da reunião no prédio 3 na biblioteca, chegando lá Bernard escutou o barulho alto que vinha, quando Bernard subiu sobre a única mesa que havia na biblioteca
- Silencio o meu senhor ira falar.
Steven se ajoelhou como referencia mais ficou em pé rápido
-Obrigado Steven, bem como todos sabem eu criei um jogo, e todos vocês de 5° serie ao 3°ano tem poderes e somos todos semideuses.
Todos alunos se entreolharam com ar de surpresos quando Bernard falou
- Aqui tem exatos duzentos e quarenta alunos, de dez á dezenove anos. Chamarei aqui na frente doze alunos para serem lideres de um clã e fazer com que ele cresça igual um reino.
Um aluno levantou sua mão, ele era loiro e tinha o rosto pálido
-Como funcionara para acabar com um clã?
Bernard sorriu
-Boa pergunta, vocês marcaram uma batalha com o conselheiro do clã, seja a batalha na arena valendo posição no ranking ou fora da arena a onde não vale pontos e pode mortes.
Todos se olharam de novo alguns estremeceram outros acharam isto genial.
-Todos concordam em jogar?
Um aluno subiu na mesa e falou
-Este cara acha que devemos jogar e até morrer com isso?
Bernard levantou a mão e riu
-Não é só um jogo será real
Todos alunos aplaudiram a idéia o aluno sorriu para Bernard e afirmou com a mão
-Ok irei chamar as doze pessoas agora, Stefan do clã Veiga, Robert do clã Kingsley, Brian do clã Aragon, Pedro Do clã Castells, Fred do clã Dolfus, Wallace do clã Daisuke, Terry do clã Carvalho, Drake do clã Harvey, Luiza do clã Martines, Pilar do clã Paganelli, Rosa do clã Anúbias e eu Bernard do clã Keller.
Os 12 estavam já em cima da mesa Bernard explicou que o numero inicial era de 15 alunos por clã e o Maximo era 60, explicou também que o clã tinha que ter os seguintes cargos. Conselheiro para dar conselhos ao líder de como atacar ou quem chamar para o clã, o tesoureiro alguém de confiança para cuidar da finança do clã e de um armeiro alguém que cuide do armamento do clã
-Então que comece o jogo, ninguém tem clã ainda a não ser eu o meu está pronto os confrontos estão abertos. Outro aviso armamentos só medievais.
Os alunos começaram a sair do dormitório e os lideres já haviam se separados e se juntado aos amigos, meu clã todo estava perto.
-James você é o vice-líder, Alice Conselheira, e Sarah cuide do armamento seu pai era o Deus da Guerra você é boa com isso conto com você.
Sarah sorriu timidamente, quando ela se virou Bernard percebeu que Rick estava atrás dela
-Sarah, o Bernard pode ser esperto e tudo mais ele não é bom para você
Bernard reparou que a garota estava chorando, Mayara só pode ver o vulto preto e algo de prata cintilante com um diamante no punhal, milésimos depois um grito de dor gotas de sangue no chão, Bernard tinha tentado acertar sua espada no rosto de Rick mais ele girou seu corpo para o lado, assim a espada causou um corte profundo na bochecha.
-Se fazer á Sarah chorar eu vou quebrar a sua cara Rick Harvey.
Bernard guardou sua espada segurou na mão da Sarah e a puxou para perto.
-Deixe-me eu quero ficar um pouco sozinha
Bernard afirmou com a cabeça ao entrar na sala parecia que todos os clãs estavam prontos, pois todos alunos estavam com as cadeiras em grupos alguns de três, cinco, seis pessoas mais o maior grupo da 7° série era o de Bernard 15 pessoas.
-Olha quem chegou, o Líder Bernard Von Keller.
Um aluno com estrutura física ótima para sua idade aparência de quem não dormi a alguns dias
-Terry, vai à merda.
O aluno Terry levantou-se e mais outros seis alunos se ergueram também, Bernard fez um gesto para que eles ficassem quietinhos, Yasmin,Thiago e James estavam parados do lado de Bernard, os outros do clã se sentaram na mesa do fundo do canto esquerdo, Mayara levantou-se foi até Terry
-Nos o desafiamos para a primeira batalha hoje as três da tarde. Aceita?
Terry confirmou olhando para Mayara com ódio, Bernard sentou-se em seu lugar quando o professor de educação física chegou e levou a turma toda para a quadra de esportes, começamos a nos alongarmos para jogar futsal, Bernard foi escolhido para Ala Direita o time A ficou, James, Thiago, Bernard, Maxwell, Gregory, Jeff e Patrick. O time A entrou na quadra aplaudido por uma torcida de dezesseis garotas o segundo time foi dos alunos homens que restaram. Bernard preparou-se para o chute inicial, o garoto correu e chutou a bola com a perna direita em baixo dela com força a bola bateu na baliza de cima fazendo estremecer a base, o goleiro do time B jogou a bola para Terry que saiu driblando James mais perdeu a bola para Thiago que aplicou em Terry um lindo chapéu deu um lindo passe abriu longo para James na área, James cabeceou o goleiro pulou a bola bate na baliza e entra, Bernard correu com Thiago na direção de James e o derrubaram.
-É dele James Von Keller. Uhuu É.
Os gritos de algumas gurias eram, Keller, Keller... Um jogador do time B botou a bola no centro do campo, esperou o juiz apitar e chutou a bola entra no canto esquerdo do goleiro com força o time vermelho vai para comemoração. James botou a bola no centro do campo o professor apitou, James passou a bola para Bernard que correu para dentro da área driblou um dos zagueiros fez algumas embaixadinhas e virou uma bicicleta chutando a bola ao gol, Bernard balançou as redes da baliza.
-Isso Bernard
Gritou Mayara da platéia, os garotos foram para o vestiário mudar de roupa, tomar banho e comer algo este era o ultimo período, quando Bernard estava pronto ele foi para a rua juntamente de seu clã, eles precisavam de um local abandonado para invadir para criar sua sede secreta.
-Atrás da escola tem um prédio de três andares que dizem ser mal assombrado ninguém entra nele há anos a não ser alguns meninos para verem se é real e se jurarem corajosos.
James sugeriu aquele prédio Bernard concordou.
-Bom pelo que sei o prédio já tem moveis um bando de garotos vivem lá deve estar tudo limpo, aqui está o prédio.
James apontava para o prédio que havia algumas rachaduras Bernard deu a ordem para que matassem todos mais não havia ninguém no local a uns dois três dias, pois a sujeira não era tanta a não ser as teias de aranha em dois dias aquele prédio estava bom para uso, já era quase três horas, Bernard e os outros voltaram para o castelo pelos fundos onde não havia guarda, James fez sinal para Terry os seguirem para o prédio abandonado.
-Terry aqui é a sede do clã Keller se ganhar de nos a sede é sua que a batalha comece.
Bernard sorriu quando viu dois vampiros do clã de Terry correrem na sua direção, Bernard chutou um no peito o fazendo se arrastar de volta para onde estava, o outro garoto Bernard chutou uma de suas pernas o fazendo cair, Bernard se escondeu pelo prédio.
-Mayara agora.
Gritou Maxwell que criou uma barreira de fogo usando seu isqueiro, Mayara tinha um arco e flechas, a flecha de seu arco tinha um pano encharcado de álcool Mayara lançou um monte de flechas na direção do clã Carvalho e pelos gritos acertou alguém que provavelmente não era vampiro. Bernard havia sido encurralado por Terry, Bernard tentou socar o rosto do garoto mais jovem que se esquivou contra atacando velozmente o peito de Bernard o jogando contra uma parede de tijolos rachando-a. Terry pulou sobra o corpo de Bernard o derrubando um andar a baixo, Terry não parava de socar o rosto de Bernard, mais o garoto girou seu corpo ficando por cima pegou o braço do outro menino lhe aplicou uma chave de braço até que quebrou o braço de Terry, Bernard tirou a espada e cravou no peito de um seguidor de Terry, que tentou atacar Bernard pelas costas, ele acabou morrendo, pois era um transformista em cão filho de Hefesto e não tinha o poder que um filho de Nyx tem de ser semi-eternais melhor dizendo imortais.
Quando Bernard se virou para acabar com Terry, mais ele e seu clã haviam fugido.
- Bernard a Alice foi para o mundo místico.
Sarah me avisou com um sorriso besta no rosto, Bernard sabia onde tinha uma entrada sem pensar duas vezes saiu correndo pela rua em uma velocidade de nove segundos em cem metros melhor dizendo o recorde, assim ninguém suspeitaria ás vezes Bernard chegava a um segundo em cem metros quando ninguém estava olhando, quando o garoto chegou na casa velha que ninguém entrou, Bernard abriu um tipo de passagem na parede e entrou.
-Agora é só achar Alice e ir embora.
Bernard olhou ao seu redor e viu muitas criaturas mino touros segurando machado e outros animais falantes.
-Meu deus aquilo é um dragão
Um lindo dragão sobre vôo a área dando um rasante para atacar Bernard, o garoto sacou a espada manuseando contra o peito do dragão fazendo-lhe um corte profundo no peito, o dragão caiu no chão fazendo o chão tremer, o garoto o finalizou cortando sua cabeça os cinco mino touros atacaram com machados, Bernard correu em suas direções pulou nas costas de um quebrou seu pescoço, caiu no chão rolou para a direita elevou a espada contra o peito de um dos centauros perfurando seu coração.
-Deixe-me eu sou amigo, quero só achar minha amiga
Bernard apontava a ponta de sua espada para os outros três mino touros ainda vivos eles largaram suas armas e bufaram ferozmente.
-Vá logo antes que eu mude de idéia, este lugar a noite não é bom para crianças como você
Bernard virou-se de costas para os animais e correu para o leste o relógio em seu pulso marcava exatos 6:30, barulhos de cães vinham da floresta um lobo pulou de trás de uma das arvores mordendo o pescoço de Bernard, o garoto jogou o cachorro longe com um empurrão, Bernard ficou em pé quando reparou que estava cercado por seis lobos selvagens, o garoto correu para dentro da floresta em alta velocidade mais os cachorros eram animagos por isto seus tamanhos aumentaram o dobro de seu tamanho suas velocidades também dobraram tanto era que um deles estava correndo logo atrás dos calcanhares do garoto, o lobo deu uma patada nas costas de Bernard o fazendo cair no chão, o garoto como sabia diversos tipos de lutas diferentes botou a cabeça do lobo entre suas pernas puxou um de suas batas até quebrar e com a espada decepou o animago, Bernard levantou-se e conseguiu fugir.
-Mais que droga, está muito tarde se eu gritar corro perigo e hoje é lua cheia tem os lobisomens filhos de Artemis, os caçadores filhos de Ares, os filhos da Noite a deusa Nix e os seguidores de Hades.
Bernard estremeceu o corpo todo ao pensar que Alice estava morta então correu mais, até que foi obrigado a parar, pois logo a frente um lobisomem foi visto devorando uma garotinha de três ou quatro anos, Bernard foi andando em cima das arvores rapidamente o luar fazia que sua sombra causa-se um vulto entre as arvores, o garoto pisou em um galho podre, o galho se partiu em dois o barulho chamou atenção do lobisomem para ele, Bernard só pode ficar parado em cima da arvore que balançava suavemente conforme o vento, o garoto estava escondido entre as folhas e teve de se encolher para que quando o lobisomem olha-se para cima visse somente o preto de seu blusão, quando o homem se aproximou e olhou para cima, Bernard pulou da arvore cravando a espada diretamente no olho direito do homem, quando o mesmo caiu morto sua forma humana voltou ao normal.
-Coitado dos filhos de Artemis eles tem vidas difíceis. Pelo menos alguns outros acabam tendo poderes superiores do que serem essas bestas ambulantes da noite.
Bernard tirou sua espada do rosto do homem limpou o sangue usando as folhas da arvore, o garoto voltou a correr em direção ao leste quando encontrou um homem velho com as barbas mal cuidadas, Bernard se aproximou divagar olhando onde pisava quando percebeu quem era chamou pela pessoa
-Pai...
Bernard correu para cima de seu pai, o homem se virou botou a espada no pescoço do garoto
-Pai sou eu, Bernard.
O homem abaixou sua espada abraçou seu filho forte como se não o visse á dias
-Qual as novidades?
Bernard perguntou olhando o rosto de seu pai
-Sim, dominamos o leste então é verdade você criou seu clã?
O pai de Bernard sempre foi bem informado sobre os acontecimentos de seus três filhos, o que eles fazem ou o que deixam de fazer.
-Sim pai sou o líder dos Von Keller acho que meu nome é Sir Bernard Von Keller.
Seu pai pigarreou auto quando chegaram em um enorme reino
-Este é o reino que vocês dominaram pai?
O homem confirmou com o balançar de cabeça
-Meu filho, nosso reino é o terceiro no poder, nossos aliados são os Daisuke eu sou conselheiro do rei.
Bernard estava seguro dentro do reino de seu pai, ao entrar no reino um dos homens sacou a espada ao ver o garoto entrar com a espada na mão
- Quem é você
Bernard cuspiu no chão sorrindo ao ver no alto de uma torre sua mãe
-Não lhe interessa!
O homem correu para cima de Bernard sem muita velocidade
-Muito lento!
Quando o homem chegou a frente do menino o mesmo botou a mão no ombro direito do homem, virou um mortal com velocidade, depois girou seu corpo ficando de frente para o homem o chutando na costela, o adulto se ajoelhou em frente Bernard.
-Isso mesmo, de joelhos para seu príncipe e futuro rei!
O homem ficou apavorado com o que Bernard disse
-Ele está louco, matem-no!
Ordenou o mesmo, Bernard abriu os braços depois os fechou segurou um garoto pelos ombros lhe aplicou duas joelhadas no estomago, Bernard foi atacado por um lanceiro, a lança atravessou seu coração, o garoto só sabia rir da tentativa inútil de matá-lo, Bernard retirou a lança de seu peito e a jogou no joelho de um dos homens, a lança foi perfeitamente lançada que bateu em um local que não causariam danos graves só iria doer por uma ou duas horas.
-Chega!
O rei saiu das sombras sorrindo tocando sobre o ombro de seu filho adotivo
-Este é o garoto que eu sempre falei para vocês, Bernard O Grande voltou!
Todos os homens do exercito do meu pai se entreolharam seus cochichos eram sempre os mesmos “Então é ele que carrega o titulo que foi dado por um filho de Zeus”.
-Sim sou eu, por isso seus ferimentos nem me atingiram por isto o nome O Grande mais conhecido Bernard O Poderoso.
Bernard sorriu para sua bela mãe que descia as escadarias que davam para a cidade do reino de meu pai era São Bernard Will City, mais conhecida como Will City, os homens aplaudiram o garoto.
-Eu vim para cá por que uma garota muito importante para mim e meu clã fugiu,e veio para este mundo!
Bernard olhou para sua mãe que confirmou com a cabeça para que ele continua-se
-Eu quero um grupo de alguns homens, para encontrarmos ela e talvez dominarmos algumas cidades e estabelecer meu reino.
O pai de Bernard deu um grande passo á frente pronto para questionar seu filho
-Mais meu filho, este reino é seu!
Falou rei um tanto quanto pouco exaltado
-Meu pai, ele será meu quando você deixar este mundo em quanto isso só será meu o que eu conquistar em batalhas.
O rei deixou os olhos semi-fechados, olhando Bernard
-Está bem pegue o exercito do Leste do castelo.
Bernard seguiu seu pai por dentro do castelo, uma passagem secreta atrás de uma estante da biblioteca, dava em uma sala que parecia ser o centro de comando.
-Então é este o mapa meu pai?
O rei afirmou outra vez, Bernard o pegou observando quais as cidades iriam tomar e criar seu reino
-Meu pai, eu desejo levar comigo apenas nove homens os nove melhores.
O homem virou-se de costas para Bernard
-Você está louco partir com apenas nove
Bernard negou todas as propostas de seu pai ele só queria nove homens os nove melhores, o garoto tomou seu banho uma moça de uns dezoito anos abriu a porta de mármore do banheiro trazendo para Bernard toalhas de banho recém lavadas.
-Muito obrigado, me desculpe não ter pego a toalha antes aposto que foi minha mãe que mandou você vir aqui.
Ela confirmou com a cabeça
-Não me incomodo nada com isso, prazer Sir Bernard, sou Lady Gabriela.
Bernard a olhou dos pés a cabeça e percebeu os colares e anéis de diamantes que ela usava
-O prazer é meu, Milady. Meu nome verdadeiro é Bernardo me chame de Bernardo ou Bernard como quiser.
Gabriela fez um movimento gracioso com seu vestido se retirando do banheiro, sobre a pia havia uma toalha, com uma roupa preta para ocasiões especiais, um barulho na porta diversas vezes.
-Já vou, já vou.
Bernard bufou ao perceber que as batidas não paravam
-Aprece-se o rei Otavio Francisco Daisuke está aqui e quer ver você.
Bernard se vestiu rapidamente andou pelos corredores do castelo quando chegou no grande salão percebeu que a Lady Gabriela sentava-se onde deveria ser o local da princesa o rei Otavio batia palmas ao ver Bernard entrar.
-Sir Bernardo, tão jovem mais porem tão glorioso.
Bernard reverenciou o rei seguindo seu caminho ao seu lugar a mesa mais antes que pudesse um dos guardas apontou a espada para a garganta do garoto
-Sua espada menino.

_______________________________________________________________________________


Hórus B. McLeen Keller

COORDENADOR DA ESCOLA DE MAGIA E BRUXARIA DE HOGWARTS
ESCOLADEMAGICA 2009/2013
Voltar ao Topo Ir em baixo
Douglas Keller
Coordenador de Hogwarts
Coordenador de Hogwarts
avatar

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 96
Experiência : 179
Idade : 28
Cidade Natal : Roma

Perfil Bruxo
Período: Concluído

MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   Sab 19 Maio 2012, 13:27

O Novo Rei (Cap.2)

O outro guarda estendeu a mão mais como Bernard não fez sequer um movimento o guarda tentou pegar a espada, mais Bernard não permitiu, se esquivou da mão do guarda chutou a lateral de sua perna canhota o fazendo cair de joelhos depois socou seu maxilar com um soco reto, o soco o fez cair sentado no chão, o segundo guarda tentou cravar a espada em Bernard o garoto desviou da lamina, e em frações de segundos, Bernard jogou o guarda no chão pisando em uma de suas mãos fazendo uma fratura em um dos ossos, o outro guarda levantou-se fez com que a chama que tinha em uma das velas aumenta-se e a usou para atacar Bernard.
- Deplorável, que perda de tempo.
Bernard correu para a direita deitou-se no chão assim o fogo passou por cima dele sem tocar o menino, Bernard tirou a espada e apertou a ponta da espada contra a garganta do guarda fazendo apenas uma gota de sangue rolar.
-Meu pai espero sua ordem e ele será um homem morto junto ao outro.
Bernard olhou para seu pai com os olhos vermelhos de raiva
-Não meu filho.
O rei Otavio ficou um tanto impressionado com a habilidade de batalha de Bernard.
-Mate-os
Ordenou o rei Otavio, o mesmo ficou em pé para assistir de perto, Bernard ao invés de arrancar fora a cabeça do homem chutou seu peito o fazendo dar três giros no ar e cair, o outro guarda pulou, com a espada pronto para acertar a cabeça de Bernard, mais o garoto botou sua espada na frente fazendo as duas se colidirem, o garoto recuou dois passos pulou ameaçando um chute de esquerda mais ainda no ar Bernard trocou de perna rapidamente e chutou a orelha do guarda com a direita, sem muito esforço Bernard cravou a espada na garganta do homem e o outro se jogou no chão, e começou a recuar.
-Não, por favor, piedade
Bernard guardou sua espada o homem que deitou no chão juntou sua espada, e tentou apunhalar Bernard pelas costa, mais o garoto era ágil virou seu corpo com a espada na mão acabou matando o segundo homem
-Idiota eu teria o deixado viver.
Bernard sentou-se na mesa no lugar do Príncipe, ambos os reis conversavam sobre negócios durante horas e mais horas.
-Vamos ao assunto principal desta noite Otavio.
O rei Daisuke olhou Johnny de cima abaixo
-Diga.
Johnny sorriu mostrando que perdeu alguns de seus dentes e botou de ouro no lugar.
-Eu quero casar sua filha Gabriela com meu filho Bernard.
Bernard ficou em pé bruscamente olhou para seu pai com raiva mais não falou absolutamente nada.
-Está bem mais parece que seu filho se incomodou com está historia!
Bernard olhou para o rei Otavio e sorriu
-É que eu não serei rei só deste castelo ao qual você está, pelo que sei suas filhas são todas mulheres e a mais velha é Gabriela eu serei rei de três ou até quatro reinos eu irei dominar o oeste e depois seguirei rumo ao sul!
Otavio bateu palmas para a grande inteligência de Bernard
-Espero que saia boas coisas de você Bernardo, minha filha é uma boa moça.
Bernard reverenciou o rei Otavio
- Majestade, aceitarei perfeitamente me casar com sua filha se ela quiser caso contraio não.
Bernard olhou o belo sorriso da moça que estava quieta então ela falou calmamente com sua voz doce e suave
-Eu aceito me casar com Bernard mais porem quero ter meu próprio castelo
Bernard sorriu para ela nove homens entraram correndo no salão todos se abaixaram como reverencia um deles se ergueu e disse
-Meu rei, Johnny estamos aqui para ajudar seu filho como o senhor pediu.
Bernard se juntou aos nove formando dez homens, uma taça se ergueu na mesa
-Bernardo boa viagem amanha cedo, espero que volte inteiro.
Otavio gargalhou, a princesa se retirou da mesa dirigindo-se para um dos corredores, Bernard informou aos guerreiros que horas partiram para o domínio do leste, Bernard foi para seu quarto tirando sua blusa ficando de calças, botou seu roupão completamente preto na estampa de fundo um símbolo com o nome dos Keller.


Bernard entrou no quarto, jogou-se na cama, seus pensamentos foram alem dos muros do castelo, mais foram atrapalhados minutos depois, Gabriela uma menina linda magra, cabelos, loiros e tamanho razoável.
-Milady o que desejas?
Perguntou o garoto, o menino ficou sentado na beirada da cama em quando a Lady se aproximava divagar de Bernard.
- Lhe dar um presente antes de você partir.
Lady Gabriela sentou-se no colo de Bernard tirou o roupão do mesmo o deixando somente de calças, quando Gabriela tirou seu roupão ela só usava roupas intimas de cor vermelha, as mãos da garoto estavam nas costas de Bernard uma delas em seu cabelo, Bernard a beijou passando a mão para suas costas e tirando o sutiã em quanto se beijavam, horas se passavam até que o dia amanheceu 06h45min no relógio, Bernard se preparou para a partida daqui uma hora, Bernard seguiu pelos corredores do castelo até chegar à cidade seus nove homens estavam parados prontos, todos estavam de joelhos a sua frente.
-Muito bem partiremos logo.
Um dos homens ficou em pé
-Sou Luck Dillan, meu senhor.
Outro homem ficou em pé rapidamente
-Sou Frydo Daisuke irmão de Gabriela meu Senhor.
Outro menino ficou em pé, ele era mais jovem do que Bernard deveria ter uns doze anos
-Sou Rick Huprey meu Senhor.
Uma garota de capacete ergueu sua mão e não seu corpo
-Sou Sarah Selaym Von Keller do novo clã Keller meu Senhor.
Bernard sorriu mais não correu para cima da garota para abraçá-la forte, um menino que segurava um machado levantou-se
-Sou Steven irmão do Príncipe e futuro Rei, meu irmão.os outros você conhece são James, Mayara, Luana e Agatha.
Bernard sentiu como se fosse uma bola de alegria, mais os momentos legais foram interrompidos mais uma vez por James
-Vamos logo com isso e larguem de drama
Mayara e Luana deram um tapa na nuca de James, Bernard sorriu se virou para a saída da cidade, o garoto andou em passos apressados seus guerreiros vieram logo atrás, Bernard entrou em uma floresta do lado leste do castelo perto das montanhas rochosas
-Continuem estamos perto do primeiro povoado.
Quando chegaram perto de duas horas caminhando sem parar, Bernard decidiu parar e montar um acampamento apenas de uma noite, Sarah se aproximou de Bernard em quanto á tarde chegava
-Senhor, você a ama não é?
Bernard olhou para os olhos de Sarah depois baixou o rosto para que ninguém visse a lagrima que rolava em seu rosto.
-Muito, mais ela ama o James!
Sarah botou a mão nos cabelos do jovem Bernard os acariciando, algumas vezes até os cheirava.
-Ela te ama Bernard, pare de se por para baixo, não é o mesmo garoto que contam as historias de ser O Grande & Poderoso.
Bernard sorriu mais ainda seus olhos derramavam rios de lagrimas que caiam divagar e sem um barulho.
-Se ela ama-se a mim de verdade não teria fugido!
Bernard observou as estrelas em uma tentativa de não chorar novamente, o garoto ergueu-se juntou a espada
-Vamos logo seus preguiçosos.
Os guardas reais de Bernard levantaram-se botaram suas vestes, e seguiram em frente em marcha rápida mais também silenciosa, Bernard avistou com um binóculo a uns mil metros um vilarejo dominado por bárbaros.
-É pegar e matar.
Ordenou Bernard em seu tom mais calmo possível então as duas arqueiras lançaram suas flechas de longe nos guardas da frente. Os guerreiros de Bernard correram em direção do pequeno vilarejo deveriam ser uns sessenta homens, seria uma batalha cruel e complicada para os guerreiros de Bernard, um monte bárbaro apareceu em frente ao pequeno exercito de Bernard.
-Mandaram sós isso para matar a mim?
Bernard manuseou a espada em diversos movimentos graciosos, um sorriso bobo estava estampado em sua face linda, Sarah lançou outra flecha que passou centímetros de Jow está flecha foi para nos separarmos.
-Sou o famoso Bernard o Grande e Poderoso e vim pegar seu vilarejo ou espelunca como quiser chamar agora é minha saia dela e pouparei suas vidas!
O homem com barba alaranjada bastante forte ergueu seu machado e ordenou.
-Nunca, matem eles.
Bernard estava lutando contra oito homens, um deles tentou cortar a mão de Bernard o mesmo manuseou a espada assim batendo ferro com ferro, Bernard sentiu uma flecha passar perto de sua cabeça e atingir um dos bárbaros, Mayara estava lançando grandes ataques contra os bárbaros, Steven os matava usando a força bruta de um vampiro, Bernard se empolgou guardou a espada correu contra os bárbaros socando alguns quebrando pescoço de um deles, Bernard virou o rosto a tempo de ver Steven levar uma machadada na cabeça, Bernard correu para tirar o machado e jogar contra quem tentou matar seu irmão, Steven levantou-se com o machucado já curado.
-Muito bem, vamos Steven.
Ordenou Bernard que agora mordia o pescoço de um, com as próprias mãos desfigurou o rosto de dois bárbaros, restavam poucos guardas agora, Mayara estava ferida James a carregava nas costas.
-Me de ela James!
James alcançou a garota para os braços de Bernard, e rapidamente Bernard ficou completamente ensangüentado
-Mais que merda, viva Mayara agüente.
A garota sorria olhando fixamente nos olhos verdes de Bernard
-É esses olhos que fazem as garotas quererem você e também é bastante confiante em seus duelos.
Mayara cuspia muito sangue pela boca, Bernard tirou toda roupa dela a deixando de calças, quando o garoto reparou havia um corte no peito, o menino tentou parar o sangramento apenas usando as mãos.
-Bernard acabou, foi bom ver seus olhos antes deu partir.
Mayara foi fechando os olhos divagar cada vez mais as vozes de Bernard dizendo “ resista agüente por mim” mais já era tarde Mayara parecia estar viajando para outro local, já não estava entre nós.
-Mayara, seus bárbaros malditos.
Luck Dillan botou a mão do lado do ferimento
-Ela ainda pode sobreviver, Bernard ajude James ele tem problemas lá.
Bernard não pensou duas vezes somente correu com fúria segurando sua espada durante o caminho foi matando bárbaros até que chegou perto de James, os dois estavam cercados por muitos bárbaros mais a batalha continuou, os dois juntos pareciam que batalhavam em conjunto a anos seus movimentos incríveis parecia tudo tão ensaiado para um show de talentos que tem em algumas escolas, quando Bernard e James acabaram a grande batalha o restante do exercito procurou metais preciosos armamentos e outros tipos de coisas, Bernard ordenou para que olhassem nas masmorras para ver se Alice estava lá, Bernard seguiu Luck para uma tenda ao entrar na mesma Bernard agachou-se perto de Mayara passando a mão em seus lindos cabelos, Bernard olhou o ferimento já cicatrizado, Mayara se contorceu na cama abrindo os olhos divagar tentando ficar sentada
-Calma bela adormecida, o nosso medico Luck disse que você tem que ficar em repouso.
Bernard sorriu olhando Mayara suspirar de novo, Luck saiu da tenda rápido e foi ajuda os outros nas procuras.
-Conseguimos Mayara, agora fique quietinha passarei os dias inteiro aqui com você.
Bernard explicou o que ocorreu, e que os escravos que haviam decidiram ser do exercito de Bernard, mais mulheres e crianças seriam o povo desta cidade e também a avisou que os estrondos nesta cidade eram as arvores eram as dos arredores do castelo que eles criariam um grande castelo.
-Bernard então é verdade você se casara?
Bernard olhou para baixo e negou Bernard não queria mais isto não era para ele casar e ter filhos, pelo menos ter filhos casar somente com a pessoa que ama o sorriso de Mayara foi grande ao ver a resposta silenciosa de Bernard.
-Ok, melhor eu dormir.
Bernard beijou a testa de Mayara correndo saiu da tenda indo em direção aos oito de seu grupo.
-Então o que temos?
Perguntou Bernard olhando para os olhos de Sarah, Sarah abriu a boca em tremendo um tremendo “O” Bernard a seguiu sem ouvir o que os outros falavam.
-Sarah o que foi.
A garota virou seu corpo socando o estomago de Bernard.
-Como você pode mentir para mim, agora tudo se encaixa por que seus olhos é o único que fica verde às vezes.
Bernard suspirou e já sabia o que ela suspeitava mais deixou que ela continua-se
-Por que você é o único vampiro que se alimenta de comida como humanos mais também pode viver de sangue, você é um Hibrido, mais não entendo por que você é imortal.
Bernard sorriu olhando para os olhos dela, eles eram lindos de cor caramelo mais um barulho de computador ligando atrapalhou a concentração do garoto, o mesmo correu na direção da denta de que vinha o som, era James ligando o computador que trousse do mundo dos Humanos junto dele trousse a internet 3G. O garoto James estava abrindo o MSN quando em frações de segundos, Bernard viu o nome da Alice na lista de James mais não observou se estava online ou off-line Bernard entrou no castelo que estava sendo construído seria pronto daqui três dias se passaram sete horas desde que chegaram.
Bernard andava divagar olhando para todos lados com a cabeça baixa pensando na Alice então o garoto correu em alta velocidade para uma saída do Mundo Místico, chegando ao mundo dos humanos dentro da escola, mais a mesma estava abandonada só havia as poeiras e nada mais.
- O que houve aqui, espere o que é aquilo
Bernard foi em direção de um pilar com as seguintes letras em uma folha “Todos para o Mundo Místico” Bernard pegou um dos aparelhos 3G da sala de computação entrou no dormitório de um dos alunos e pegou seu computador o ligando lá mesmo e tirando completamente o som, o mesmo voltou a correr para o mundo místico, ao chegar ao acampamento Sarah estava parada
na entrada.
-Onde você foi? Me diz?
Bernard passou reto por ela olhando o chão segurando sua mochila nas costas, quando a garota perguntou de novo, Bernard virou-se para ela com raiva com os olhos pareciam arder em chamas, Bernard largou a bolsa no chão tirou o computador o ligando com a esperança de entrar e a ver online.
-Bernard o que foi?
Sarah olhava para ele chorando um pouco talvez feliz pelo garoto ter voltado e não fugido como sempre fazia mais triste por não contar a ele seu segredo.
-Estou vendo uma coisa.
Quando o MSN abriu o nome dela estava lá online Bernard abriu a pagina da conversa ela mesmo lhe deu “oi”.

Alice diz:
Tudo bem?
Bernard diz:
Não muito e você?
Alice diz:
Eu estou bem.
Bernard diz:
Sabe eu estou indo atrás de você,
Alice diz:
Não faz isso, eu amo ao James
Bernard diz:
Sei que não, sei que me amas.
Alice diz:
Amo-te sim, mais
Bernard diz:
Mais o que? Me diz.
Alice diz:
Você não entenderia¸ nunca entende
Bernard diz:
Voce não sabe nem o que eu sinto por você e diz que eu não entenderei.
Alice diz:
Isto mesmo eu não sei quero saber me encontre na cidade do leste Terry-Wolf
Bernard diz:
Agora?
Alice diz:
Sim!
Bernard diz:
Beijos.

Bernard desligou o computador, depois o guardou em sua tenda dentro de sua mochila, Bernard pegou sua espada saindo do acampamento mais uma vez, mais o garoto sabia que Sarah não o deixaria ir embora, mais quando o mesmo saiu de sua tenda Luana o empurrou para dentro dela mais uma vez o beijando divagar, Bernard afastou divagar e carinhosamente disse “depois” e voltou a sair da tenda.
-Bernard não vá.
Disse Luana segurando o braço do garoto forte, ele se soltou e correu para o leste a cidade Terry-Wolf era próxima tão próxima que nem demorava a chegar lá e o dia estava amanhecendo não poderia ter muitos monstros esta hora, ao chegar na cidade Bernard entrou na mesma andando em passos rápidos, Alice estava sentada perto da fonte mais um garoto apareceu na frente de Bernard.
-Terry então você é líder deste vilarejo.
Bernard sorriu para o garoto, mais o menino não queria saber de brincadeira então tentou chutar o rosto de Bernard com o peito do pé, Bernard segurou o chute botou a espada no pescoço de Terry e sussurrou em seu ouvido.
-Desista de me matar, deixe-me em paz ok.
O garoto afirmou com a cabeça olhando Bernard, Terry se afastou em passos longos e rápidos.
-Bernard venha
Alice chamou Bernard, o garoto só a seguia para um lado e para o outro, ela estava cada vez mais linda sempre se mostrou inteligente o bastante para achar bons esconderijos para ela pensar, onde ela levou o garoto era lindo parecia uma replica do campo Elíseos calmo e com alguns pássaros cantarolando um lindo rio passava a margem de um castelo.
-Este lugar é meu.
Bernard teve a grande genialidade que ali não seria seguro quando Sarah e Luana decidirem vir atrás de mim com o exercito.
-Aqui não é seguro eu tenho um exercito agora e eles já devem estar marchando para cá.
Alice botou os dedos nos lábios de Bernard, o garoto sorriu ao tirar os dedos dela de seu lábio.
-Bernard não podemos ficar juntos, eu vou me casar com o James.
Bernard a abraçou forte como se fosse um deus mais pela sua beleza parecia mesmo um deus um grande deus.
-Eu sei disso mais eu ainda tenho tempo para isto, para ficar perto de você.
Bernard segurou na cintura dela a puxou para mais perto a beijando ela retribuiu Mao beijo mais em algumas vezes tentava sair mais ela acabou vacilando um pouco os dois estavam deitados na beira do rio o corpo de Bernard estava de baixo do dela, o garoto parou de beijá-la graças ao barulho que veio dos portões de Terry-Wolf, Bernard ficou em pé ajudando Alice.
-Alice depois agente conversa deve ser os Keller.
Alice impediu que Bernard corre-se o puxou para mais um beijo.
-Bernard se você voltar com vida eu fico com você mais prometa que voltaras.
Bernard sorriu em quanto corria para fora do campo fora dele encontrou seus guerreiros atacando o grupo de Terry, o menino Terry tentou atacar Bernard mais foi morto pela flecha lançada por um anão loiro de uns vinte anos, Bernard agradeceu com um grito e com um movimento brusco arrancou a cabeça de um elfos.
-Bernard os dragões estão invadindo cuidado. James nos traiu ele trousse os dragões para este lugar.
Gritava Mayara ao apontar para um monte dragões muitas flechas eram lançadas contra os dragões alguns dominadores de elementos atacavam os monstros, o exercito de Bernard estava sendo massacrado mais Bernard não era idiota pediu a um dominador de ar que o ajuda-se a voar assim foi feito, o garoto matou uma grande quantia de dragões alguns monstros invadiram o portão mais os guerreiros acabaram com a guerra, o que sobrou foi sangue, fogo e algumas casas ainda em pé. Bernard voltou para o local que parecia mais os Elíseos, Alice estava sentada sobre uma pedra com uma lira nos braços ela parecia feliz por ver Bernard se aproximar devagar.
-Ganhei um reino e uma princesa.
Um homem entrou correndo nos campos Bernard o reconheceu como seu mestre Ichiro Daisuke o irmão do rei e antigo protetor de Bernard.
-Mestre o que houve?
Bernard se ajoelhou na frente de Ichiro como reverencia, mais o homem o obrigou a ficar de pé.
-Sempre se rebaixando, você só precisa ser humilde só isto Bernard mais você é arrogante e bastante petulante. Mais vamos ao que importa você deve ir para o reino de seu pai ele está doente e você é o sucessor ao trono.
Bernard fechou os punhos esmurrando o rosto de Ichiro com raiva um cuspi saiu da boca de Bernard batendo no rosto de Ichiro, o jovem de dezessete anos sacou a espada batendo com o lado dela na coxa de Bernard o fazendo ficar de joelhos, depois lhe aplicou um chute reto no peito que o fez cair sentado, Ichiro largou a espada e socou algumas vezes o rosto de Bernard.
-Mesmo com seu incrível poder ainda esta fraco, vamos durante o caminho irei te treinar a guarda de seu pai está aqui para levá-lo ao trono.
Bernard seguiu seu antigo mestre andando escutando tudo que ele falava sobre os deuses não existirem que não passavam de simples crenças, e explicou ao garoto que seus poderes eram de copia todos que ele chupasse o sangue pegaria um pouco de suas habilidades, chegando ao grande castelo de seu pai Bernard entrou correndo por um dos corredores escuros com apenas algumas tochas de fogo, Bernard estava se vestindo para a reunião os outros reis estavam presente na ocasião que nomearia Bernard o rei assim criando o oitavo reino o rei Jimmy Sullivan eram o mais rico entre todos alguns de seus escravos usavam colares de ouro com o símbolo da família Sullivan, Tudo que Bernard queria era um grande castelo de porta vermelha com limoeiro em frente à janela do seu quarto a infância que nunca conhecera.
Ouviu-se um suave toque na porta.
-Entre.
Disse Bernard, virando as costas à janela. As criadas de seu pai entraram com reverencia e começaram a tratar de suas tarefas. Eram escravas, um presente de um dos muitos amigos de Robert Hooke. A escravatura não existia no Pais de Aida. É, no entanto, elas eram escravas. A mulher mais velha, pequena e cinzenta como um rato, nunca dizia uma palavra, mas a moça compensava. Era a favorita de Robert, uma jovem de quatorze anos, cabelos claros e olhos azuis, que tagarelava sem cessar enquanto trabalhava.
Encheram a banheira com água quente trazida da cozinha e perfumaram-na com óleos odoríferos. A moça puxou a princesa do reino de Otavio para dentro do quarto tirando a linda túnica de algodão grosseiro pela cabeça de Gabriela e a ajudou a entrar na banheira. A água escaldava, mas Gabi não gritou nem hesitou. Gostava do calor. Fazia-a sentir-se limpa. Além disso, Bernard dissera-lhe com freqüência que nunca nada estava quente demais para uma Daisuke de verdade. “A casa dos Daisuke é dos Fortes e Protetores”, dizia. “O poder e a dor estão em seu sangue”.
A mulher mais velha lavou seus longos cabelos em quanto Bernard a observava, a mulher removeu suavemente os nós com uma escova, sempre em silencio. A moça esfregou-lhe as costas e os pés e disse-lhe como tinha sorte.
-Seu noivo, Jimmy é tão rico que seus escravos usam jóias de ouro.
Jimmy possuía cem mil cavaleiros, e seu palácio em Ville Porto, duzentos quartos e portas de prata sólida - houve mais do mesmo gênero, muito mais; como Jimmy era um homem lindo de vinte três anos, alto e feroz, destemido em batalha, o melhor cavaleiro que alguma vez montara um cavalo, um arqueiro demoníaco. Gabriela nada disse. Sempre assumira que se casaria com Jimmy quando chegasse á idade ideal.
Quando Gabriela estava limpa, as escravas ajudaram-na a sair da água e secaram-na com toalhas. A moça escovou-lhe os cabelos até fazê-los brilhar como prata derretida, enquanto a mulher mais velha a untava com perfume de flores de especiarias das planícies do monte de Nória, um salpico em cada pulso, atrás das orelhas, na ponta dos seios e, por fim, um refrescante lá em baixo, entre as pernas. Vestiram-lhe a roupa de baixo que Bernard lhe dera depois o vestido, de seda, com um profundo tom de ameixa para realçar a cor de seus olhos. A moça enfiou-lhe as sandálias douradas nos pés enquanto a mulher mais velha lhe fixava a tiara na cabeça e fazia deslizar pulseiras douradas incrustadas de ametistas em seus pulsos. O ultimo adorno foi o colar, um pesado cordão de ouro torcido ornado com antigos glifos valirianos.
-Agora se parece de mais com as princesas.
Falou a moça, suspirando forte, quando terminaram, Gabi olhou rapidamente para sua própria imagem no espelho que ganhou de seu pai Otavio. Uma princesa, pensou, mas lembrou-se do que a moça dissera, de como Jimmy era tão rico que até seus escravos usavam jóias de ouro. Sentiu um súbito arrepio percorrer seu corpo, o arrepio foi mais forte nos braços nus.
-Ela sempre foi uma princesa, em minha opinião a mais linda de todas que estão lá em baixo agora.
Bernard e Gabriela saíram de dentro do castelo seguindo para o castelo principal onde aconteceria a cerimônia de coroação aos novos reis e rainhas dos povos.
-Gabriela vire-se. Sim ótimo você tem um ar...
-Real.
Disse Felix Palladino o rei de um dos tronos de prata, ele entrou por arcada.
Movia-se com uma delicadeza surpreendente parecia um homem velho um pouco corpolento. Sob vestimentas soltas de seda cor de fogo, nuvens de gordura oscilavam enquanto ele caminhava. Oleara-lhe a barba amarela bifurcada até que brilhasse como ouro verdadeiro.
-Que o senhor Deus esteja com vocês no dia de hoje.
Disse Sr. Palladino quando lhe tomou a mão. Inclinou a cabeça, mostrando um fino relance de dentes amarelos e tortos através do dourado da barba.
-Ela é uma graça, Jimmy ficara arrebatado!
Exclamou Felix dirigindo-se a Bernard que baixou a cabeça e sacudiu a cabeça negativamente.
-Ela é magra de mais.
Disse Bernard. Seus cabelos escuros caídos sobre o olho parecendo Alex Evans mais usando roupas medievais bastante bonitas como a de um rei era um visual severo que davam ênfase ao seu lindo rosto. Bernard pousou a mão sobre o punho da espada que seu pai lhe dera quando criança.
-Será que Jimmy gosta de mulheres mais jovens que ele?
Perguntou Bernard olhando profundamente para a meia lua que brilhava no céu.
-Ela já teve seu sangue. Tem idade suficiente para o Sr. Sullivan.
Respondeu Felix, e já não era a primeira vez que dizia aquilo.
-Olhe para está garota. Aqueles cabelos louro-prateados, e aqueles olhos azuis... ela é o sangue da antiga rainha a Valíria mãe de Jimmy.
Felix elogiou novamente Gabriela que ria com vergonha andando passos a frente de Bernard com as mãos dadas ao pai de Jimmy seu sogro.
-Me suponho que sim.
Disse Bernard com um tom duvidoso.
-Os selvagens têm gostos estranhos. Rapazes, cavalos, ovelhas...
-É melhor não sugerir isto ao rei Jimmy hoje a noite.
Disse Felix, Gabriela olhou para Bernard a tempo de perceber seus olhos arderem em ira
-Toma-me por um tolo?
Bernard gritou com Felix com o rosto baixo as mãos fechadas em punho.
-Tomo-o por um rei. Aos reis falta a cautela dos homens vulgares. Minhas desculpas se o ofendi.
Virou-se e bateu palmas para chamar os carregadores.
As ruas de Cry Wolf estavam claras graças as luzes que o rei Johnny pediu para instalarem hoje mais cedo, dois escravos iam à frente para abrir caminho na frente dos príncipes Bernard e Gabriela que vinham entrando de mãos dadas mais os dois foram obrigados a se separarem dentro do salão um para a esquerda outra para a direita muitos aplausos vieram da multidão pouco antes de entrarem no castelo junto da realeza, Bernard sentou-se do lado de um garoto pouco mais velho que Bernard deveria ser um dos filhos do rei, Felix levantou uma taça de ouro na mesa de trinta lugares lá estavam as oito princesas, cinco príncipes, sete reis, cinco rainhas e oito lordes. Alice estava chegando atrasada, Bernard não sabia o que ela fazia ali provavelmente princesa de um dos reinos, ela vestia um lindo vestido de cor vermelha pouco chamativo desbotado mais porem lindo como a pessoa que o usava aquele vestido realçava os seios de Alice, um garoto entrou em seguida de cabeça baixa ele usava uma roupa vermelha como fogo Bernard o reconheceu era Maxwell o garoto de dezessete anos.
-Muito bem, estamos aqui hoje para vermos se concordamos com a entrada de mais um reino ao invés de sete.
Falou o pai de Bernard que estava realmente muito pálido parecia fraco,sua mãe a rainha era uma linda vampira que usava um vestido azul claro, o rei Johnny tossia alto parecia estar a beira da morte como um simples humano Bernard era realmente hibrido com as habilidades de copia do pai e as da mãe como a caça e inteligência.
-Pelo que me consta temos todas as assinaturas para que o reino de meu filho seja criado.
Johnny esforçou-se para terminar a frase sem pausas dramáticas para algumas tosses ou espirros, o rei Travis Delacroix ficou em pé olhando para Bernard com seus olhos vermelhos cintilantes como se estivessem pegando fogo, um fogo tão ardente quanto o de um dragão.
- Principe Bernard tens algum símbolo e nome para seus membros da guarda real e nos diga onde ele se localizara.
Bernard ficou em pé de imediato olhando para alguns de seus guerreiros mais revirou os olhos para cima e os desceu divagar olhando agora para Luana que também chegou atrasada junto com Mayara e Clara.
-O Nome de minha guarda real é Von Keller, Rei Bernard Von Keller.
Bernard voltou a se sentar ao meio dos aplausos de alguns príncipes e princesas outros reis estavam sérios olhando para o jovem garoto.
-Está bem, agora devemos decidir o sucessor do trono dos Von Horn, diga para nós que será Johnny ficou mais uma vez em pé se esforçando bastante para ficar em sua posição
-O sucessor do trono será Robert Von Horn que desejou mudar o nome de sua guarda para Von Park.
Bernard pegou a adaga que estava sobre a mesa e a cravou perto de onde seu pai sentava.
-Meu pai sabe que eu irei matar Robert sem hesitar. Por que queres isto?
Johnny foi para seu cômodo dando lugar ao novo rei Robert, Bernard ficou sem uma resposta mais ainda observava o irmão sorrir ao ter um reino ganho nas mãos, Steven era para ser o novo rei Bernard saiu da mesa do jantar, dirigiu-se para seus aposentos para sair com seu exercito em direção ao Norte.
Na manha seguinte o garoto se encontrava deitado na carruagem que seria puxada por dois cavalos negros, seu exercito pequeno de setenta mil homens estava logo a sua frente e atrás os cem mil escravos, O jovem iria dominar grande parte do norte onde favoreceria seu exercito que era bastante acostumado com o frio violento do inverno.
Na cidade que o jovem dominaria se chamava Devias, uma das maiores cidades do norte que era dominada por Dragões e seus domadores os feiticeiros, Foi nesse lugar e de suas sombras melancólicas e onipresentes que minha mãe fugiu comigo se casando com o reizinho Johnny quando eu ainda tinha apenas alguns meses de vida. Nessa cidade vivia um rei mais ele foi assassinado, dias depois da fuga de minha mãe comigo e assim a cidade foi dominada por dragões e os dragões dominados por feiticeiros.
Bernard sentiu um espasmo de pânico ao pensar em voltar para casa de onde nasceu, como o garoto poderia vencer dragões e feiticeiros, é claro que o jovem tinha homens magníficos ao seu lado com habilidades ótimas mais ainda assim parecia uma tarefa complicada para o jovem reizinho.
A primeira noite naquela carruagem Bernard não dormiu muito bem, mesmo depois de chorar por não poder ficar com Alice. Ao fundo o ruído constante da chuva e do vento no telhado não desaparecia. O rei puxou o velho cobertor xadrez sobre a cabeça e mais tarde coloquei também o travesseiro. Mas o rei só conseguiu dormir depois da uma da madrugada, quando a chuva se aquietou num chuvisco mais silencioso.
Só o que o jovem via pelas frestas das cortinas vermelhas da carruagem, uma neblina densa, e podia sentir a claustrofobia rastejar em sua direção, no norte já mais poderia se ver o céu; parecia uma gaiola de nuvens.
O café da manha que uma escrava trousse para o rei foi silencioso. Ela desejou sorte na batalha do norte, o rei agradeceu, sabendo que suas esperanças poderiam ser em vãs. A boa sorte normalmente nunca favorecia o rei, ele sempre batalhou pelas coisas que conquistou hoje. A escrava saiu da carruagem, depois que ela partiu o jovem ficou sentado examinando o teto da carruagem feito de carvalho uma arvore bastante resistente.
Ainda estava chuviscando, não o suficiente para ensopar Bernard quando ele saiu da carruagem.
-Mestre, esses aldeões ofereceram moradias por alguns dias por um pouco de ouro.
Bernard estendeu a mão para dentro da carruagem tirando colares de ouro de diversos valores. O banquete da cidade estava pronto para a saudação do rei que era mais conhecido como O Grande.
Depois de algumas voltas pelo vilarejo, Bernard começou a reconhecer vários rostos, sempre havia alguém mais corajoso do que os outros, que se apresentavam e perguntavam para Bernard se ele estava gostando da estadia no reino de 2° Devias conhecida como local dos rebeldes, Bernard tentou ser diplomática, mas na maioria das vezes o jovem apenas mentiu, mais o jovem rei não precisou do mapa para achar o salão principal.
Quando Bernard estava indo para o salão um jovem garoto magricela com problemas de pele e cabelo loiro feito ouro platinado, veio falar com o rei.
-Você é Bernard O Grande?
O jovem magricela parecia direitinho o tipo de garoto do clube de xadrez.
-Desculpe, vamos precisamos passar pelo pátio chuvoso até chegarmos no salão
O jovem segurou firme no braço de Bernard parecendo estar o arrastando pelo pátio que estava repleto de neve.
-Muito diferente do Sul?
-Muito
-Não chove muito por lá não é?
-Umas doze vezes por ano.
-Como deve ser isso?
-Ensolarado.
-Você não é muito bronzeado.
-Sou descente de alemães
Apreensivo, ele examinou o rosto de Bernard, o jovem suspirou. Parecia que nuvens e senso de humor não se misturavam. Algum mês disso Bernard acabaria se esquecendo como usar o seu grande sarcasmo.
Bernard sorriu vagarosamente para o escravo que o deixou na porta do salão, o jovem rei entrou olhando para todos, acabou por fim se sentando em silencio, uma garota sentou-se ao lado de Bernard, seu visual era lindo cabelo loiro, rebelde e cacheado compensava a diferença entre as alturas dela e do jovem, Bernard não conseguia lembrar-se o nome da Lady do vilarejo, o rei percebeu que os cabelos da garota eram iguais aos seus mais loiros com algumas pontas escuras.
-Onde esta o Lorde, Tiago Loa e seu filho Naoi Loa?
Perguntou Bernard um pouco perturbado sobre a mesa do salão rodeado por outros homens que sacaram suas espadas ao ver que o jovem rei estava enfurecido, outro sacar de espadas ecoou pelo salão, Luana e Agatha haviam sacado suas espadas ao mesmo tempo.
-O rei tem protetores não consegue usar sua própria força, não é?
Muitos risos entre os guardas do castelo de Devias II, Bernard ergue-se com suas espadas em mãos.
-Quando é o maldito treino de espadas neste castelo, eu desafio todos vocês a me derrotarem eu e elas.
Bernard apontava para Agatha e Luana, os guardas riram mais alto do que antes alguns deboches entre os guardas.
-Claro meu senhor mais se nos o machucarmos não devemos sermos punidos!
Bernard concordou com a cabeça, quando a chegada de Sor Tiago Loa Stark fez um grande barulho na porta todos seus guardas se ajoelharam como reverencia, o Sr. Loa não era tão jovem nem tão velho uns cinqüenta anos, cabelos brancos completamente bagunçados, suas rugas de expressões eram bastante visíveis. Os olhos de Lorde Stark estavam arregalados e infantis, o rei parecia uma pessoa pouco amorosa, bastante arrogante e descuidada.
Lorde Stark foi tão gentil com tudo aquilo, parecia realmente satisfeito com a visitinha de um rei ao seu castelo medíocre, do outro lado da mesa na frente de Bernard chegou um rapaz parecido com Lady Stark que sentou-se do lado de Bernard, provavelmente são irmãos gêmeos pois o jovem garoto tinha cabelos negros até os olhos bastante magricela com um cigarro na boca.
-Prazer em conhecer vocês, Naoi, Meggie e Tiago.
Uma moça bastante linda entrou cantarolando um pouco, ela tinha cabelos longos de cor castanhos, cacheados e rebeldes, ela parecia andar com passos graciosos de danças, sua reverencia para o rei Bernard foi retribuída pelo mesmo com um acenar de mãos, quando a esposa do Lord Stark estendeu suas lindas mãos sedosas e macias, o jovem rei pegou em sua mão suavemente a puxou até seus lábios dando-lhe um beijo no anel de casamento.
-Senhora Bardem, pelo que sei você morava em Devias III, não é mesmo?
Ela encarou o rei por alguns segundos, os olhos delas eram castanhos bastante escuros e de fato era muito mais linda do que Lorde Stark. Sabrina concordou com o rei, ela usava vestido vermelho bastante decotado seus seios eram maiores do que os de muitas garotas com que Bernard já havia transado, o rei ficou abobado de como ela poderia estar casada com aquele velho fraco.
-Muito bem, o que nos trás a visita do rei?
Bernard ficou em pé com a mão no punhal da espada, o garoto não parava de ficar tímido com o olhar de Sabrina em seu corpo. Bernard explicou tudo ao Lorde o domínio do Norte, o Lorde ficou vislumbrado com a idéia daquele local não ser mais dominados por feiticeiros ou algo parecido.
-Meu Rei minha cidade é sua, mais me deixe como líder do vilarejo,
Bernard sorriu para os dentes completamente amarelados de Tiago, seus cabelos pareciam ter sido penteados para duzentos lados diferentes, Sabrina por de baixo da mesa tocou a perna de Bernard subindo pelo joelho divagar, o rei segurou sua mão antes que ela pudesse entrar em suas calças.

_______________________________________________________________________________


Hórus B. McLeen Keller

COORDENADOR DA ESCOLA DE MAGIA E BRUXARIA DE HOGWARTS
ESCOLADEMAGICA 2009/2013
Voltar ao Topo Ir em baixo
Douglas Keller
Coordenador de Hogwarts
Coordenador de Hogwarts
avatar

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 96
Experiência : 179
Idade : 28
Cidade Natal : Roma

Perfil Bruxo
Período: Concluído

MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   Sab 19 Maio 2012, 13:29

A Perseguição (3° Capitulo)
Após o banquete o rei estava sentado na biblioteca lendo um pouco sobre a historia grega que era bastante fascinante, o primeiro livro era sobre Zeus, Hades e Poseidon.
O Deus do mar, Deus do inferno e Deus do trovão, mais sua leitura foi interrompida pelo barulho de passos no solo de madeira que rangia um pouco a cada passo, o rei ficou em pé segurando sua espada.
-Quem está ai?
Meggie apareceu por de trás das prateleiras de livros, ela arrancou o livro das mãos do rei, sentou-se na cadeira a inclinou para trás á deixando com apenas duas pernas no chão, esticou suas próprias pernas botando sobre a mesa, ela ergueu um pouco o pé para cima da mesa assim de propósito deixou sua roupa de baixo aparecendo, era da cor rosa, o jovem rei ficou muito tímido com a chegada da Lady Stark.
-Olá Mi Lady, vejo que possui um interesse pela mitologia grega.
Meggie na verdade tinha interesse em quem estava lendo não no que estava sendo lido, o jovem Bernard a olhou para o rostinho bonito de Meggie, a garota baixou suas pernas ficando de pé arrumando suas vestes, estava usando uma saia curta de cor preta e blusa da mesma cor.
-Sabe, poucos reis vieram para cá, você é o mais bonitinho até agora.
Bernard sorriu com sua maça do rosto corando levemente em um tom pouco rosado.
-Poucas garotas que conheci parecem com você.
Mentiu Bernard, não seria a primeira mentira que contou para conquistar uma pessoa, o jovem rei sempre foi um enorme mentiroso e estrategista na arte da guerra do amor, sua maior arma foi seu cérebro, sempre conseguiu o que queria até destruiu muitos namoros, Bernard a puxou pela cintura como se quisesse dizer “tu é minha na hora que eu quero”, seu beijo foi demorado mais pareciam segundos, a garota o empurrou para trás.
-Você tem fama de pegador, não está mentindo para mim não né.
Bernard disse que com ela era diferente, durante dias e mais dias eles se encontravam na biblioteca e lá ficavam por horas e mais horas, Bernard de vez em quando mandava suas tropas para Icarus uma cidade maior que as quatro Devias juntas, suas tropas estavam acabando com o exercito de bárbaros que haviam lá também tinha lobos gigantes mais não era o grande problema tinha seus transformistas em lobos, mais alguns dias a cidade de Icarus seria do Jovem Bernard, em seu bando havia um transformista que jurou lealdade ao jovem rei, Bernard pensou se ele poderia utilizar de seus poderes de copia para se tornar um transformistas assim sendo de três tipos de classe diferente vampiro, meio-vela e transformista, a classe meio vela quer dizer que ele consegue conquistar qualquer coisa com seu charme qualquer pessoa pode obter esta habilidade basta ser linda para ser considerada meia-vela, mais poucos fazem parte desta classe pois quase nenhum usa de sua beleza para conquistas como o jovem rei.
-Bernard venha cá.
Chamou Sabrina para dentro de seus aposentos, duas escravas corcundas e feias com rugas profundas suas idades uns sessenta anos, Sabrina ordenou que elas se retirassem do quarto imediatamente ou as jogava na masmorra, ela levou Bernard para o pátio e o fez subir uma torre antiga que havia pegado fogo e ninguém nunca havia a consertado agora ela servia como esconderijo da Lady Stark, quando chegaram ao topo da grande torre Sabrina tirou a blusa pólo vermelha que o rei usava o deixando sem blusa com sua barriga definida de fora, seus braços um tanto forte para quem tem quinze anos, Sabrina desabotoou a calça jeans do jovem depois abriu o fecho deixando o garoto somente de cueca, após deixá-lo seminu ela começou a despir-se ficando quase nua ficando somente de calcinha da cor vermelha, Lady Stark segurou os cabelos do rei puxando sua cabeça para cima de seus grandes seios, Bernard segurou firme nos seios de Sabrina os massageando divagar, o sol entrou pela janela da torre e bateu nos olhos verdes de Bernard que de imediato girou seu corpo para a direita escapando do sol, Sabrina estava abraçada em seu pescoço o beijando, a mão de Bernard estava entre as pernas da mulher a massageando divagar os gemidos da mesma eram baixos mais iam aumentando mais conforme o jovem rei a massageava, Sabrina beijou o pescoço de Bernard e foi descendo passando pelo seu peito nu, descendo mais para sua barriga completamente definida, quando chegou ao pênis do rei o chupou divagar, passando sua língua divagar na ponta do mesmo, Bernard estava com prazer pelo que estava acontecendo assim acabou ejaculando depois de alguns minutos que ela estava chupando seu pênis, mais a Lady chupou com mais vontade agora que o rei havia ejaculado em sua boca, após isto ela retirou divagar o pênis de Bernard de sua boca e bateu com ele em seu rosto divagar, ela ficou de pé beijando Bernard delicadamente, o rei estava com a mão na cintura de Lady Stark, ela se virou de costas para o jovem rei que começou a penetrá-la divagar e aumentando a velocidade aos poucos, depois de umas duas horas transando Sabrina vestiu-se Bernard fez o mesmo.
-Então anda se encontrando com Meggie pelo castelo?
Bernard havia recuado alguns passos ao perceber que Sabrina havia ficado irritada, Bernard sorriu ao olhar os olhos dela, o jovem afirmou com a cabeça olhando para o chão, graças ao sol Bernard viu a mão de Sabrina erguer-se o garoto poderia ter desviado do tapa que ela lhe deu, que fez ecoar pela torre, a marca vermelha na maçã do rosto de Bernard estava latejando.
-Se a fizer sofrer ira pagar caro seu chantagista, um pequeno prodígio de víboras!
Bernard olhou para os olhos dela, ele podia sentir como se seus olhos estivessem queimando no fogo de sua ira, o garoto virou-se de costas para a Lady Stark, saltou para ponta da escada pondo sua bela mão no corrimão velho da escada, a desceu de pressa, quando chegou lá em baixo o jovem percebeu que os guardas iriam treinar na floresta gelada, era o time Bernard contra o time Naoi.
-Muito bem, eu jogarei também se Lorde Stark jogar também.
Bernard se curvou a frente de Naoi para falar sobre o jogo, seu time estava pronto, Agatha, Luana, Mayara, Clara, Maxwell, Steven, Jefferson, Christopher, Luan e por ultimo o rei Bernard.
O time de Naoi estava completo também, sua bandeira com o brasão da família Stark, um lobo cinza com uma coroa de rei, as do Keller era simples mais porem bastante diferente não tinham animais como símbolo.
-Prontos, que comece.
Bernard deixou todos seu grupo atacar mais depois ordenou que recuassem, Bernard andando abaixado pelas arvores tentando se esconder e pegar um inimigo desprevenido, um jovem do clã Stark correu em direção de Luana, e com uma espadada o som das duas laminas foi alto, segundos depois o estouro de lamina se quebrando, a espada de Luana havia-se quebrado em duas partes, o homem ergueu a espada sobre a cabeça de Luana, ele iria apunhalá-la com força, Bernard largou sua própria espada no chão, e correu na direção do homem segurando em sua cintura o erguendo para cima com força e depois jogando seu peso sobre o do homem assim o impacto seria maior, Bernard levantou-se recuou alguns passos voltando ao local onde deixou a espada começou a travar uma batalha com o homem que iria apunhalar a jovem garota que se chamava Luana.
-Você não tem chances, Willy Stark.
Bernard bateu com o lado de sua espada sem fio na costela de Willy, o garoto caiu no chão de dor. Bernard ajudou Luana a levantar-se e entregou a ela a própria espada, o jovem rei lutaria somente com os punhos, Naoi apareceu na frente de Bernard os dois sem espadas, a força bruta seria usada, Naoi pulou retirando seus dois pé do chão, um deles se elevou e usando a ponta do pé esquerdo o jovem Lorde Stark atingiu o peito de Bernard, o rei foi lançado ao chão, mais se levantou e de imediato segurou o punho de Naoi o torcendo de um modo que se o rei aplicasse um chute em seu cotovelo direito seu osso iria quebrar-se, assim foi feito, Bernard erguer sua perna direita chutando apenas uma vez o braço de Lorde Stark, o som de ossos se quebrando foi seguido por um grito de dor e angustia.
O rei atravessou metade da floresta até pegar a maldita bandeira dos Stark, a quebrando no meio com raiva, Bernard voltou para o campo de batalha pegando Naoi no colo, o levando até um dos escravos, o treino de hoje havia acabado mais cedo, Bernard desta vez havia conquistado o exercito de Devias II, seria mais fácil agora matar Tiago.
Bernard se encontrava em um bosque repleto de neve, todas as criaturas aproveitando o horário calmo para passear pelos bosques ao redor do castelo. Mesmo com os passarinhos piando e crocitando, os insetos zumbindo ruidosamente na volta do jovem rei.
O desconforto aumentava á medida com que o rei penetrava entre as arvores cobertas de neve, estava ficando mais complicado respirar, não era por causa do grande desconforto, era por que Bernard estava se escondendo para chorar por causa de seu grande orgulho e por ele o jovem fazia tudo até mesmo enganar os próprios amigos. O garoto mantinha os braços cruzados firmes sobre o peito, o garoto tentava banir a dor de seus sentimentos.
Bernard quase desistiu de continuar mais não queria desperdiçar o esforço que já havia feito, o ritmo de seus passos começou a entorpecer sua mente e a sua dor enquanto o mesmo avançava mais e mais no meio dos galhos das arvores estreitas do bosque,
O rei não reparou como se movia, mais com passar do tempo estava andando com mais eficiência do que antes, enfim sua respiração estava voltando aos poucos mais as lagrimas continuaram a rolar em seu rosto, a volta de seu olho estava completamente vermelha, seus olhos pareciam arder em fogo quente de uma raiva gigantesca. Bernard chegou onde sua mão lhe disse para ir lá era realmente belo, tinha flores parecia o Sul, as neves nunca caiam ali o ano todo e a chuva somente as vezes, Bernard se atirou no mar de rosas, ficou lá deitado com os braços abertos, como-se a dor e seus problemas sumissem do mundo, o deixando em paz. Meggie estava sentada em uma arvore olhando o garoto deitado no chão, ela saiu elegantemente da arvore indo em direção do jovem rei Bernard, quando chegou perto o suficiente deitou-se de seu lado o beijando de leve na bochecha.
-Bonito aqui não é? Só uma mulher veio aqui, dizem que ela era uma mulher loba que largou a cidade com seu filho, diz que o garoto é lindo mais porem amaldiçoado!
Bernard afirmou a pergunta se aquele bosque era bonito, mais ao escutar a parte da mulher 0o jovem percebeu que a historia que contavam por ali era sobre sua mãe.
-Isto não era verdade, eu sou o garoto, e nunca fui amaldiçoado eu sou lindo e nada do que eu fiz deu errado.
-Isto é só uma historia de terror para assustar as crianças que não fazem as coisas, há historia diz que o garoto voltaria e mataria a todos do vilarejo mais alguns sobreviveriam, acho que besteira.
-Eu também acho.
Bernard adormeceu entre as lindas flores em quanto Maggie alisava seus cabelos, a soneca de Bernard foi como se ele estivesse mergulhado em um de seus velhos pesadelos, por um instante, ele se viu mais uma vez ajoelhado ao lado do corpo de Baratheon seu antigo amigo de infância, caído ao pé da torre de Marilian, era um corpo pequeno encolhido sobre o capim, transpassado pela adaga de prata de Otavio o rei de um dos tronos de prata, rei dos Daisuke. A voz de Bernard ainda chamava “Baratheon... Baratheon”, mesmo sabendo que o elfo havia ido para um local onde não poderia escutar seu chamado fraco.
Bernard se desfez de seu blusão o jogando sobre o corpo do elfo, depois de horas vagando pelo mundo de escuridão de seu pesadelo, alguém havia o despertado com palavras que os chamavam “Senhor... Acorde Senhor!”
-O que foi?
Luana estava ajoelhada na frente do corpo de Bernard o chacoalhando com força, Luana estava com a roupa suja de sangue, Bernard não entendia o porque mais com os feixes de luz fora do bosque já o dava a idéia de que estavam sendo atacados, gritos de terror entre os civis da cidade, o exercito de Tiago atacaram junto com os de Bernard.
Por alguns minutos o ataque parou mais uma voz falou, obviamente usando magia, “Entregue-me o REI, morto ou vivo.” A voz parecia ser de Otavio um dos grandes feiticeiros existentes no mundo, Otavio O Lorde Branco assim o rei de um dos tronos era conhecido. Luana ergueu a espada mais alto ao escutar a Voz do rei Otavio.
-Venha buscá-lo
A voz não respondeu a jovem garota, alguns homens estavam-se ajudando a curar seus ferimentos, mais apenas dezoito do exercito de Bernard poderia ir embora, são eles:
Luana, Maggie, Agatha, Clara, Maxwell, Steven, Jeff (Jefferson), Mayara, Gregory, Thomas, Gabriel, Thiago, Rudolf, Jessica, Giovanna, Rafael, Renata e o próprio Bernard.
Bernard ordenou os seguintes grupos, Steven com Maxwell, Luana com Rafael, Gabriel com a Giovanna, Rudolf com a Jessica, Maggie com Clara, Jeff com a Mayara, Bernard com a Agatha, Gregory com Renata e por ultimo Sarah com Thiago.
-Partiremos em segundos, cuidado para não serem mortos, vamos para o local combinado ok. Boa Sorte a todos.
Bernard lançou um olhar de medo para o irmão mais jovem não queria o perder.
-Muito bem, então.
Anunciou Bernard.
-Todos a postos, por favor; quero que todos saiam exatamente na mesma hora, ou invalidamos a idéia de despistamento.
Todos montaram em seus cavalos alados.
-Segure-se firme agora, Bernard.
Disse Agatha, Steven viu o irmão lançar um olhar furtivo e culpado para Rudolf antes de colocar as mãos na volta da cintura da feiticeira.
As pernas da feiticeira bateram na barriga do cavalo de cor branca com as suas asas graciosas, quando o cavalo começou a correr o jovem segurou Agatha com pouco mais de medo mais quando o cavalo já havia saído do chão ele perdeu o medo, o garoto estava com um arco e flechas nas costas prontas para uso, Bernard sentia o cavalo avançar em uma velocidade assustadora, seus olhos lacrimejaram um pouco, os cabelos foram varridos para trás. Á sua volta os cavalos subiam também, uma cauda longa e negra os ultrapassaram era um cavalo de cor negra bem mais veloz do que este que ele usava.
Mais de repente, sem ninguém saber de onde nem como, eles se viram cercados por uns quarenta homens pairavam no ar, formando um vasto no circulo que no meio deles entravam os dezoito membros dos Keller, sem perceber.
Gritos, e clarões de cor vermelha para todo lado; Agatha soltou um berro quando o feitiço de cor branca quase lhe atingiu o rosto, o cavalo virou de cabeça para baixo, Bernard perdeu a consciência de onde estavam, mais os berros a sua volta o fizeram retornar a realidade a tempo de perceber que estava escorregando do cavalo, mais o garoto prendeu suas pernas como se aquilo fosse a ultima alternativa para continuar a viver, o arco e flechas caiu de suas costas girando em direção ao solo, mas ele conseguiu, por um triz, alcançar a ponta do arco feito de madeira quando o cavalo voltou a sua posição normal. Alguns segundos de alivio e outro clarão branco, o garoto Gabriel que estava do lado de Bernard em outro cavalo alado foi arremessado para fora do cavalo com força, seu corpo caia em alta velocidade contra o chão.
-Não... NÃO!
O cavalo avançou veloz; de relance, Bernard viu um homem encapuzado se dispersarem quando Agatha rompeu o circulo.
-Gabriel... Gabriel...
Bernard chamava o garoto que continuava cair em silencio como um brinquedo, Bernard não conseguia acreditar, o jovem rei sentiu um supremo terror pelos companheiros. Espiou rapidamente por cima do ombro e observou um enorme grupo de pessoas de deslocando, clarões brancos, vermelhos e azuis, dois pares de gente se distanciavam mais não conseguia dizer quem eles eram.
-Agatha, temos que voltar, temos que voltar!
Berrou Bernard para a garota que abaixou um pouca a cabeça obviamente seus tímpanos havia doido um pouco.
Quando o jovem Bernard tornou a olhar para trás, dois jorros de luz branca passou perto de sua orelha direita; quatro homens haviam saído do circulo e vinham em sua perseguição, fazendo pontaria com suas varinhas de feiticeiros nas costas de Bernard, O rei se desviou de um dos feitiços, mais os feiticeiros emparelharam com o cavalo alado de cor branca, Agatha havia avisado que qualquer pessoa poderia roubar a magia só bastava roubar suas varinhas mágicas, Bernard botou a mão no bolso direito da bruxa retirando sua varinha, o rei olhou para trás torcendo-se para ver melhor os perseguidores e ordenou “ Furinguloges” O feitiço de cor vermelha soltou-se no ar indo em direção dos homens, o feitiço abriu uma brecha entre os perseguidores, ao se dispersarem para evitar serem atingidos.
-Bernard pegue meu livro na mochila que está na minha frente, ele pesa alguns quilos, lá tem alguns feitiços.
Bernard não se demorou muito para achar o livro e retira-lo da mochila, o rei leu um dos feitiços que chamava sua atenção. Agatha havia batido mais forte as pernas na barriga do cavalo que o fez andar mais veloz do que antes, Bernard mirou a varinha para trás, sacudiu a varinha, como no livro mandava e ordenou em silencio “Feriante” a barreira transparente porem solida se criou no ar, três dos perseguidores se desviaram para evitá-la, mas o quarto não teve grande sorte e acabou se chocando contra ela sua vassoura se quebrou ele só caia e caia desmaiado com o impacto forte, mais maldições de paralisia cerebral foram lançadas pelos três homens sobreviventes, Bernard lançou o feitiço Furinguloges ele atingiu de raspão o capuz de um dos perseguidores quando ele caiu o jovem rei reparou que era James Daisuke, Bernard desviou-se de feitiços de desmaio, Agatha se abaixou para não ser atingida. Bernard respondeu com feitiços Torturis; Verde e branco colidiam no ar produzindo uma chuva de faíscas multicoloridas, Bernard apontou a varinha para o peito de um dos homens.
-OLABA. Morra...
O Feitiço de cor vermelha atingiu o peito do companheiro de James, fazendo-o explodir como um balão sem deixar rastros de sangue o que restou foi sua vassoura que também caia, James estava voando em uma harpia, no momento que mais dois homens vinham em sua direção.
Quando feitiços cortaram espaço entre eles, Agatha se desviou e ziguezagueou; Bernard sabia que a amiga não ousaria abandonar o cavalo e pegar uma vassoura que era mais rápida ou até mesmo a moto voadora que um deles usava, então o jovem ariscou com seguiu pular em cima da moto, o homem que estava nela apontava a varinha para o rosto de Bernard, o garoto chutou o braço do homem seu capuz caiu era Ítalo, Bernard cravou a espada no coração do rapaz de dezoito anos, o rei segurou o corpo do garoto e o jogou para a escuridão.
-Agatha pule para a moto venha eu pego vocês.
A garota pulou para dentro da grande moto Bernard viu a varinha do bruxo caída próxima do motor presa em uma das partes da moto que o garoto desconhecia, o jovem meteu a mão ali com cuidado e a tirou, devolveu a varinha para Agatha e a deixou no comando da moto.
-Chame Otavio, ele mesmo ira matar Bernard.
O grito de James chegou aos ouvidos do jovem apesar do ronco da moto; no momento seguinte, mais dois perseguidores tinham recuado e desaparecido de vista.
-Ber, o que aconteceu?
Berrou Agatha com medo em sua voz doce mais porem exaltada
-Onde eles se meteram?
Perguntou mais uma vez, o que o rei respondia era “Não sei!” Bernard porem teve medo James havia dito para chamar o próprio Otavio, o jovem olhou a escuridão aparentemente vazia e sentiu o perigo se aproximando. Onde eles estavam? Ele se virou no assento para ficar de frente e abraçou a garota.
-Agatha, acelere mais, está velocidade é 80 bota mais de 100.
Ouviu-se um ronco mais alto a moto disparou em direção à escuridão em alta velocidade; o garoto sentiu que estava escorregando para trás no pouco assento que a moto tinha, Agatha foi atirada para cima dele, mal conseguindo manter as mãos no guidão...
-Acho que conseguimos, falta pouco para chegar ao mundo humano.
Berrou Agatha mais uma vez.
Bernard contudo, não se convenceu facilmente; o medo envolvia seu corpo o fazendo estremecer um pouco, então olhava para a direita e para esquerda, á procura dos perseguidores como se soube-se que voltariam para matá-lo.
Bernard sentiu a moto perder um pouco de altitude, embora as luzes em terra ainda parecessem estrelas remotas.
Então a dor em sua cabeça ficou forte como se alguém estivesse tentando invadi lá de longe usando magia desconhecida por muitos somente magos extremamente poderosos para fazer isto, dois perseguidores lançaram duas maldições vermelhas em sua direção mais nenhuma passou perto o suficiente para atingi-los.
Então Bernard o viu. Otavio vinha voando de pé em cima de uma leão alado da montanha, seus dedos ergueram mais uma vez a varinha fazendo pontaria nos fugitivos, Agatha soltou um gritinho de medo e mergulhou a moto verticalmente, a moto deu diversas piruetas Agatha e Bernard ambos estavam caindo em queda livre, o novo rei disparou feitiços Furinguloges a esmo a noite vertiginosa. Viu um corpo passar por ele soube que tinha atingido alguém, depois faíscas saíram da moto que caia mais rápido que os jovens que caiam em alta velocidade.
Jatos de luz branca tornaram a passar por eles em quanto caiam, Agatha estava totalmente desorientada, Bernard sentia uma forte dor na cabeça onde havia sido atingido pelo feitiço Torturis, o garoto esperou morrer em qualquer segundo.
Era o fim; ele não ouvia nem via onde Otavio estava; de relance, percebeu que James fez uma curva para se afastar do caminho e ouviu: - Paralitucus Ce...
Quando a dor forçou a fechar os olhos, Agatha agiu rapidamente para protegê-lo com o feitiço “Reflectus Intactus” após usar esse feitiço ela puxou Bernard para cima da moto que ainda estava em mal estados mais ajudava nesta hora, Agatha acelerou com força total mais a moto ficou em chamas, foi acelerando muito rápido contra o chão.
Então Otavio sumiu na escuridão, Bernard olhou para baixo, percebeu que Agatha havia caído antes de bernard, seu corpo parecia morto atirado no chão, quando a moto caiu no , mas, com o estrondo de furar os tímpanos e uma colisão de chão tremer, a moto bateu com grande impacto em uma arvore e explodiu, Bernard pulou para a direita escapando da morte.
-Agatha.
Bernard lutou para levantar-se, não conseguia entender onde havia ido Otavio, mais o esperava descer da escuridão e amaldiçoá-lo.
-Agatha, vamos embora logo.
Bernard observou a amiga erguer-se com muita dificuldade, ele a ajudou, botando seu braço como apoio para ela, os dois iam caminhando por uma estrada de chão batido em direção de uma casa simples onde todos combinaram se encontrar.
-Por que Otavio desapareceu?
Agatha sorriu olhando nos olhos de Bernard.
-Otavio foi amaldiçoado ele nunca poderá sair do nosso mundo para o mundo humano, a não ser que um Mago mais poderoso o liberte do feitiço que seu pai lançou nele.
O jovem rei imaginou Otavio a poucos metros do portal que os separavam, depois entendeu porque Otavio desapareceu; tinha sido no ponto em que cruzaram o portal. Sua esperança era que o feitiço não parasse de funcionar.
Quando eles chegaram à casa que ficava no subsolo encontraram duas mulheres sacudindo a cabeça com as mãos no rosto Luana jogou-se para cima de Bernard e não parava de dizer o nome “Rafael... Rafael”. Bernard já entendeu o que aconteceu.
-Ele está morto.
Renata deu um simples passo para frente.
-Gregory também Otavio veio atrás de nos, talvez Gregory tenha o ferido mais ele foi amaldiçoado eu só pude o ver morrer, eu não fiz nada.
-Está bem, eu também vi uma pessoa morrer e não fiz nada, Gabriel está morto.
Bernard anunciou a morte com um grande apertão no peito lembrando-se do irmão mais novo talvez ele estivesse vivo.
-Alguém mais voltou?
Perguntou Agatha com a testa ferida seu rosto cheio de sangue, a garota magra alta com os cabelos loiros, mesmo ferida ela era linda, Luana observou Renata levar Agatha para dentro para cuidar dos ferimentos. Uma luz brilhou na escuridão alguém atravessou o portal, Maxwell saiu caminhando com um pequeno garoto que estava ensangüentado.
Bernard correu para os dois segurando as pernas do rapaz que tinha o rosto coberto. Juntos ele e Max carregaram o garoto para dentro da casa, e da cozinha para a sala de visitas, onde o deitaram no sofá, quando a forte luz iluminou o rosto do garoto Bernard tirou rapidamente o pano que cobria seu rosto e caiu sentado ao perceber quem era seu irmão completamente machucado por maldições Torturis, Bernard correu para o gramado para esperar mais sobreviventes.
Depois de algumas horas dois vultos passaram pelo gramado quando pousaram, Jessica se precipitou para um abraço em Bernard com um belo sorriso no rosto, Rudolf passou reto indo em direção a Agatha a abraçando.
O jovem rei estava no quarto que antes pertencia ao Maxwell, a casa não era muito grande até porque ela é no solo, para se chegar ao gramado tem que subir uma escadaria, a porta do quarto se abriu divagar Giovanna entrou aos tropeços com um leve sorriso no rosto.
-Hora do jantar vem, só ficou eu, você, a Maggie e a Luana.
Bernard se levantou saindo do quarto segurando Giovanna para um forte abraço que ele não lhe deu quando ela havia chegado, quando chegaram no ultimo degrau Maggie se encontrava com uma caixa de pizza na mão.
-Eu não como isso não, vamos a um restaurante eu pago.
Bernard riu alto quando Maggie fez uma cara de brava para ele, depois ele agachou do lado do sofá pegando Luana no colo, quando Bernard chegou no gramado ele foi na grande garagem que ficava do lado de fora da casa, quando ela se abriu um Cherry Tiggo, uma caminhonete branca e francesa. Bernard botou Luana no banco do carro, quando ela pousou no banco ela se acordou de imediato, Giovanna estava sentada no banco da frente, era a única que poderia dirigir, Bernard sentou-se de seu lado.
Chegando ao restaurante Bernard abriu a porta para as três garotas, eles foram recebidos por uma garçonete, Luana pareceu irritada quando percebeu que a garçonete tinha dado uma recepção mais calorosa para o garoto, aquilo foi mais do que o necessário.
Bernard ficou surpreso por que ela ficou tão irritada, a mulher era bonita, morena e pouco mais alta do que o jovem.
-Mesa para quatro?- Sua voz era sedutora, que fosse intencional ou não. Os olhos da moça pareciam faiscar quando encarou as garotas e depois se desviaram. Ela nos levou para uma mesa para quatro, Maggie sentou-se a direta da mesa do seu lado Luana seguida por Giovanna, Bernard sentou-se do lado de Giovanna.
-Muito bem, logo vira alguém os atender.
A recepcionista virou-se de costas, saindo um pouco desequilibrada.
-Não deveria fazer isso com as pessoas? É muito injusto.
Criticou Maggie.
-Fazer o que?
Perguntou o garoto olhando Maggie nos olhos.
-Deixá-las tontas desse jeito... Ela pode estar ofegando agora mesmo dentro daquela cozinha.
Bernard pareceu confuso.
-Ah, sem essa. Você deve saber o efeito que tem sobre as pessoas
Disse Luana com sua voz doce, mais porem desconfiada.
-Eu deixo as pessoas tontas?
Perguntou Bernard olhando agora para a garçonete que saia divagar da cozinha, Bernard se inclinou sobre a mesa até os ouvidos de Luana.
-Eu deixo você tonta?
-Com muita freqüência.
Admitiu-a, quando Bernard já havia sentado em sua cadeira, nossa garçonete chegou á mesa, com certeza havia fofocado nos bastidores e esta garota nova parecia decepcionada. Ela colocou uma mecha de cabelo louro atrás da orelha e sorriu com mais uma cortesia desnecessária.
-Oi. Meu nome é Yasmin e serei sua garçonete esta noite. O que posso trazer para beberem?
Quando Giovanna reparou que Yasmin era sua prima ela abanou sorridente.
-Gio você voltou, então posso largar este emprego.
Bernard entendeu que aquela era a prima de Giovanna que esperava o dia em que talvez a profecia fosse cumprida, historias idiotas que contavam quando as primas Jhonson se encontrassem o mundo entraria em guerra.
-Yasmin vamos embora, demita-se e vamos.
Ordenou Bernard levantando-se, as outras garotas fizeram o mesmo.
Horas depois os jovens se encontravam sentados no sofá olhando a madrugada, Bernard havia levado o sofá para o gramado, eles ficaram lá olhando a noite passar, Bernard ficou de mãos dadas com Luana
-Alguém acordou.
Pequenos sons pareciam subir os degraus da escadaria que dava para o gramado, Clara e Maxwell estavam abraçados, Bernard ficou em pé quando Clara o olhou com um breve sorriso malicioso na face, Maxwell nunca havia gostado de Bernard, o rei sacou sua espada apontando para Yasmin.
-Vamos ver se você é boa em batalhas, ou apenas um rostinho bonito.
Bernard piscou para ela estendendo seu braço, Yasmin segurou no pulso do jovem, que a ajudou a ficar em pé.
-Eu acho que você é um rostinho bonito, as historias que contam sobre você é mentira.
Bernard viu ela tirar a espada que parecia mais uma agulha, não se podia bate na pessoa por que seus lados não cortavam, mais se pegasse com sua ponta, seu corpo acabaria por ser furado.
-Espada meio ridícula.
Bernard foi ameaçado por Yasmin, quando ela botou a ponta de sua espada um pouco abaixo dos olhos, pouco acima da maçã do rosto, apertando de leve para mostrar como sua espada era afiada, uma gota de sangue rolou pelo rosto do jovem, o mesmo rapidamente bateu com o lado da espada nas pernas de Yasmin, sem cortá-la, ela caiu no chão largando sua espada, Bernard foi bater com a espada nela novamente nas costas dela, mais a garota lhe deu uma tesoura com as pernas o derrubando sobre seu corpo, seus rostos estavam pertos um do outro, Yasmin botou a mão na nuca de Bernard o beijando de leve com apenas um selinha.
-Não devia confiar em mim.
Yasmin aplicou na barriga de Bernard uma bela de uma joelhada, o garoto rolou no chão de dor, a garota juntou sua espada, Bernard ficou em pé, em quanto empunhava sua espada, Yasmin correu na direção do jovem rei para lhe cravar a espadinha em sua mão, Bernard se desviou segurando no pulso dela o torcendo, para ela largar a espada, quando ela caiu no chão, depois que a espada caiu, Bernard botou a mão em volta de sua cintura a puxando para mais perto para um doce beijo, mais bastante picante.
-Ta... Ta... Chega Bernard.
Falou Maxwell separando Yasmin de Bernard com brutalidade, o jovem rei segurou firme sua espada com enorme raiva, mais a largou no chão segurando Maxwell pela gola.
-Fica quieto, não se meta na minha vida.
Maxwell soltou-se das mãos dele
-Você é muito arrogante e petulante.
Bernard ria baixo quando virou-se para a direita viu o irmão de Sarah se aproximar, os dois eram filhos de Stevan Daisuke, o senhor Stevan era irmão adotivo de Yuri Pendragon, mais também havia sido vendido por três bilhões de barras de ouro. Vinicius considerado melhor amigo de Maggie, andava meio divagar em direção da irmã para um forte abraço.
-Meu caro amigo, Vinicius, quanto tempo desde que nos conhecemos.
Bernard sempre ia á casa dos Pendragon quando pequeno, eles o acolheram quando ninguém mais quis Vinicius sempre foi muito seu amigo, até treinavam juntos.

O Plano (4° Capitulo)

Três dias depois da fuga do vilarejo de Devias, Bernard se encontrava em cima de uma montanha olhando o por do sol, Clara estava subindo a montanha com um pouco de dificuldade, Clara sorriu quando tropeçou em uma pedra, Bernard correu para ajudá-la.
-Cuidado, bobinha.
O garoto a pegou no colo, subindo a montanha com mais facilidade, Bernard a pousou sobre uma grande pedra, ela abraçou o garoto com força.
-Se o Max descobrir, eu não falo mais com você esta me ouvindo.
Bernard soltou uma gargalhada debochada.
-Então o idiota não pode saber que é corno?
Clara pareceu um pouco brava com Bernard.
-Ele não é idiota e não chama ele assim.
-Esta bem, agora vem cá.
Bernard a puxou para mais perto a beijando, uma de suas mãos se encontrava na cintura e a outra um pouco abaixo da cintura dela, Vinicius havia subido toda montanha para chamar Bernard e Clara, para o almoço.
Os três desceram a montanha, quando chegaram na casa todos já haviam almoçado, Clara estava sem fome, então se juntou ao Maxwell no gramado e os outros garotos, Bernard se juntou a eles minutos depois, seu irmão estava abraçado na Sarah, Vinicius olhava com os olhos semi fechados para Maxwell, aquele olhar era de ódio, Bernard se aproximou de Vinicius com passos lentos, quando chegou perto ergueu Vinicius o puxando para longe dos outros.
-Sabe, percebi que não gosta muito de Maxwell
-É eu não gosto.
-Olha, eu o faço sofrer.
Bernard percebeu também que Vinicius tinha gostado da idéia. Naquele mesmo dia Bernard ordenou para Vinicius comprar uma câmera de vídeo.
Horas depois, no quarto em que Bernard dormia, Vinicius instalou a câmera em cima da cômoda.
-Chame ela, Vini.
Bernard sorriu para o amigo que saiu correndo do quarto com empolgação, minutos depois Clara entrou no quarto, o jovem fez um gesto para que ela fecha-se a porta, assim foi feito.
Quando a garota chegou perto de Bernard, ele botou a mão na cintura dela a puxando para cima da cama, a beijando no pescoço divagar, depois de um tempinho ia subindo até a boca, Clara havia tido alguns arrepios, o jovem rei retirou sua própria blusa, sem muitas demoras a garota estava chupando a barriga definida do garoto, uma batida suave na porta os incomodava.
-Senhor, precisamos de você.
-Já vou.
Bernard abriu a porta do quarto sem camisa mesmo desceu as escadas com um roupão, mais o roupão estava aberto, ele ainda estava de calças.
-O que foi?
Bernard perguntou olhando a todos na sala.
-Feliz Aniversario.
Bernard foi abraçado e beijado pelos companheiros de combate, o garoto no dia de seu aniversario estava com um plano magnífico, para o domínio da America Latina, primeiro eles matariam todos humanos de São Paulo, o único problema de dominar a cidade de São Paulo é que existe um caçador muito forte chamado Bruno Schiffer. Bernard naquele mesmo dia largou a câmera com o vídeo, da Clara transando com Bernard. Horas depois na mesa do café Vinicius esticou uma taça de champanhe.
-Um brinde ao corno dos cornos, não é mesmo Maxwell?
Maxwell ficou sem entender o que Vinicius queria dizer, Clara estava tomando banho mal ela sabia que algo ruim estava por acontecer com ela, Bernard ficou em pé segurando Maxwell, para ele não atacar Vinicius, Steven se levantou também.
- O Que significa isso Bernard?
Perguntou o irmão mais jovem o olhando com os olhos brilhantes contra a luz.
-Eu explico, Bernard transou com sua namoradinha, aquela vadia.
Bernard olhou para Maxwell ele estava ficando com raiva, as mãos fechadas em punho, a chama de uma vela começou a aumentar muito rápido, se não fosse pelo domínio da água que Maggie possuía a casa estaria em chamas, Clara desceu as escadas divagar, mais quando reparou que havia um conflito ali na mesa, ela desceu os degraus depressa.
-O Que está acontecendo?
Perguntou Clara olhando nervosa para Maxwell, o garoto soltou-se de Bernard o empurrando sobre a mesa, o jovem rei não gostou daquele gesto, correu contra Maxwell chutando sua perna o fazendo ficar de joelhos, Vinicius sentado sorriu ao ver Maxwell sangrar, talvez Bernard tenha quebrado o nariz do rapaz com a joelhada que lhe deu na cara, não, não quebrou, o sangue era da boca dele.
-Você pediu por isso, idiota.
Clara ainda não sabia o que estava acontecendo mais ela segurou os braços de Bernard, depois o empurrou para cima de Yasmin, a garota o segurou com força o deixando de pé.
-Clara, seu namoradinho já sabe que é corno.
Debochou Vinicius.
-Isto não é verdade.
Clara havia ficado mais nervosa com tudo aquilo, Sarah estava debruçada sobre a mesa, poderia estar chorando por Bernard ter a traído. Bernard e Vinicius queriam rir, o jovem, rei teve de se segurar até outro local, mais Vinicius caiu na gargalhada ali mesmo, Bernard sempre soube que Sarah ficaria brava com ele, mais ele também sabia como evitar a separação dos dois, e tinha certeza de que Clara e Maxwell nunca mais seriam namorados.
Alguns minutos depois Bernard no gramado rindo junto com Vinicius.
-Onde esta o corno agora Ber?
Bernard sacudiu os ombros.
-Acho que sendo enganado pela Clara, putz depois eu tenho que falar com a Sarah.
Vinicius gargalhou mais um pouco, Bernard já sabia o que iria fazer, o culpado seria o Vinicius, era tudo tão simples usar os outros para seus objetivos, mesmo eles sendo tão sem significado.
O Grande plano de Bernard sempre foi conquistar o mundo humano assim quebrando a grande barreira que separava o mundo místico, juntando os dois em um só mundo chamado de Planeta Terras, Bernard queria destruir todas as grandes tecnologias desnecessárias, trazendo o mundo novamente a idade medieval, os sobreviventes da fuga estavam juntos de Bernard para o domínio do País conhecido como Brasil. Seu pequeno grupo foi destruindo tudo pelo primeiro estado, Rio Grande do Sul não seria muito difícil destruir-lo, a primeira cidade foi completamente destruída deixando somente ruínas, ao longo dos dias haviam humanos no exercito de Bernard, um deles era um ferreiro que construía a espada dos guerreiros do jovem rei, o castelo de Bernard estava sendo construído, em duas semanas o rei havia dominado dezoito estados, e seu exercito haviam cavaleiros sem habilidades alguma, as fazendas não foras destruídas, somente as coisas tecnológicas, poucas pessoas morreram, os impostos acabariam até que venha os tempos dos reis liderarem todos os países, o rei daquele Pais era Bernard. Quando completou exatas três semanas o Brasil havia sido conquistado, as noticias vieram de tudo quanto é canto que Otavio havia dominado todo continente europeu, mais ele ainda não poderia passar pela barreira de cristal a não ser que a linhagem sangüínea dos copiadores a quebrasse, logo seria feito pelo próprio Bernard. Clara ainda estava junto de Maxwell mais ela não estava se aproximando do rei. O Mundo todo se juntou ao mundo místico graças aos sete reis, Bernard foi completamente excluído dos tronos de ferro pelo conselho, o rei Jimmy havia dominado algumas cidades Islâmicas como: Tunísia, Argélia, Libia, Egito (Cairo), Armênia, Pérsia. Novos reis foram nomeados, são eles Jimmy Sullivan, Erick Schiffer, Otavio Daisuke, Wallace Pendragon, Naoi Stark, Robert Von Horn e James Von Percy. O rei do tono de ouro o pequeno Joffrey, o garoto dominou o restante do mundo.
O segundo rei que veio ao mundo humano com a mesma idéia de Bernard foi Naoi que dominou: A Espanha, Marrocos, Saará Ocidental e a Alemanha.
Erick Schiffer conhecido como o rei que dominou: Roma, Constantinopla, Sicilia e Sardenha.
Otavio Daisuke dominou: Toda parte que antes eram desconhecidas mais foram descobertas pelos portugueses, mais Bernard foi mais rápido e dominou três países da America Latina, Argentina, Brasil e Uruguai. Mais com o passar dos meses abandonou a America Latina para conquistar, Portugal, França e Inglaterra.
Wallace Pendragon dominou: Japão e China.
James Von Percy teve total domínio sobre a índia.
Robert Von Horn teve domínio sobre: Flandres, Holanda, Irlanda, Escócia, Noruega, Suécia, Dinamarca, Polônia e Prússia.

O Crescimento populacional aumentou muito, esse crescimento deveu-se, em parte, ao longo período de paz vivido pelos sete reis após a invasão de Joffrey na Holanda, vikings e magiares e o esforço dos sacerdotes para diminuir a violência da cavalaria. Essa campanha contra a violência recebeu o nome de Paz de Deus. Proibia brigas diante dos sacerdotes das igrejas e restringia a guerra a três dias por semana e a determinada época do ano.
Contribuíram também para o crescimento da população a co0nquista de terras ainda não cultivadas (florestas, matagais) e as invasões técnicas. As três invasões técnicas introduzidas em alguns locais foram.
• Uso da charrua em lugar do arado;
• Utilização do cavalo no lugar do boi. Embora mais caro do que o boi, o cavalo é mais eficiente por ser mais rápido permitindo arar a terra mais vezes e arejar melhor o solo. O uso da ferradura também colaborou para a melhoria da agricultura medieval, pois protegia o casco do cavalo, dando ao animal maior resistência e agilidade no trabalho.
• Introdução do sistema de cultura em três campos. Desde a antiguidade, os agricultores usavam apenas dois campos: enquanto um era cultivado, o outro permanecia em “descanso” para recuperar seus nutrientes. Ao passar dos séculos, passou-se a utilizar a rotação trienal.
Como os animais também passavam a ser mais alimentados, a oferta de carne e ovos aumentou. Os longos períodos de paz e as invasões técnicas permitiram um aumento da produção de alimentos. Mais bem alimentadas, as pessoas ganhavam resistência contra as doenças e viviam mais tempo. Com a diminuição da mortalidade e aumento da fertilidade, a população cresceu.
Com o aumento da produção agrícola, já não eram mais necessários tantos servos para trabalhar os campos. Diante da falta de trabalho, muitos camponeses fugiam dos feudos e buscavam outro meio de vida. Alguns se tornavam mercadores ambulantes; outros iam trabalhar pelas estradas pedindo esmola. Bernard pegava todos que pediam esmola como seus escravos.

Depois dos tempos do comercio o mundo místico acabou sendo unido no mundo humano, mais ainda assim os humanos não poderiam entrar nele, e nem Otavio sair do mesmo, até que um dos três copiadores existentes quebre a barreira, Bernard era o terceiro copiador, o trabalho que mais se fazia no Brasil era o artesanato um dos trabalhos mais respeitados pelos reis.
Bernard foi consagrado ex-rei, mais todos os chamam de rei, mais ele se considera um Lorde, com o poder equivalente de um rei.
Entre o rei Bernard e a burguesia houve uma espécie de troca de favores. A burguesia fornecia ao rei dinheiro, em forma de empréstimos e doações. Com esse dinheiro, o rei montava um exercito profissional assalariado e por meio dele podia impor sua autoridade aos outros reis. Em troca da ajuda recebida, o rei oferecia á burguesia proteção e facilidades. Como? Colocando seus soldados para aumentar a segurança nas estradas, estabelecendo uma moeda única para todo o território, fazendo leis para punis assaltantes que atacavam mercadores e assim por diante.
Algumas das leis criada pela mão do rei, seu nome era Vinicius, a mão do rei sugeriu ao Bernard que ele dominasse a índia, assim seria consagrado rei de um trono de prata..

Algumas Leis
(...) o rei proíbe a todos os capitães e homens de guerra que ataquem mercadores, trabalhadores, gado ou cavalos ou bestas de carga (...) e não perturbem, nem as carruagens, mercadorias e artigos que estiverem transportando, e não exigirão deles resgate de qualquer forma (...).

Com os novos tempos é comum um nobre atacar ou mandar atacar mercadores nas estradas para exigir deles resgate em dinheiro.
Alem das doações recebidas dos comerciantes, o rei Otavio passou a criar impostos; os impostos reais. Os impostos que os nobres cobravam dos comerciantes que passavam por suas terras não foram abolidas.
As tropas de Bernard estavam marchando em direção a índia para tomá-la, cem mil cavaleiros estavam andando em direção a índia, Bernard estava na carruagem com seus conselheiros e a mão do rei, Maxwell, Clara, Giovanna, Yasmin, Luana, Agatha, Renata, Steven e Vinicius.
Bernard estava próximo da índia, na grande Pérsia, o seu grande exercito passaria a noite na estrada, após os dias passarem o rei da Burguesia informou a Bernard que eles tomariam a Pérsia de Jimmy Sullivan, mais o seu exercito estava marchando para ajudar Bernard na grande batalha que seria dominar a india, Naoi tinha trezentos mil homens era um dos homens que possuía mais de quinhentos anos, ele tinha o maior numero de soldados, mais porem, não era o mais rico.
Quando chegaram na Índia o exercito de James estava preparado para a batalha, o jovem Bernard saiu de sua carruagem observando o inimigo de longe, eles ainda não notaram sua presença, então pela floresta iam se aproximando divagar e abaixados, se escondendo e quando podiam matavam sem fazer barulho, mais isto não durou muito tempo até que o capitão percebeu que o exercito já havia chegado, todo grupo de Bernard saiu de trás das coisas atacando todos os homens.
-ATACAR.
Berrou Bernard de cima da montanha olhando a batalha de cima junto de seu conselheiro, os dois usavam um grande arco e flechas, com o arco miravam nos guerreiros inimigos, esses dois brincavam de matar, quem matasse mais ganhava, como sempre o jovem Lorde Keller ganhava, umas três horas de batalha o exercito de Naoi chegou, sem muita demora a batalha acabou com mais facilidade, Maggie estava do lado de Naoi, ambos se curvaram para Bernard, o jovem ex-rei reverenciou o rei, Bernard estava seguindo divagar com cautela em direção do trono de prata, dentro do castelo de James, o garoto James estava sentado no seu trono.
-Me entregue o trono de prata e saia daqui James, você e sua esposa.
A palavra esposa saiu como uma bala que atingiu o próprio coração de Bernard, com aquela palavra se referia a Alice Von Percy Smith.
-E se eu não sair?
Bernard fez apenas um gesto com a mão e dois de seus guardas seguraram o rei e o jogaram no chão, aos pés de Bernard, o garoto sentou-se no trono sorridente, James de joelhos sobre a graça do novo rei do trono de prata.
-Me recuso a sair, seu idiota.
Um dos guardas sacou a espada, mais Bernard levantou-se mais rápido andou em direção de James, chutou a lateral de sua coxa, quando o garoto foi se ajoelhar a outra perna de Bernard já havia se erguido e chutado o maxilar de James.
-Vá embora eu estou mais forte que você, na verdade sempre fui melhor que você.
James se retirou rapidamente da índia, o exercito de Naoi estava marchando para Pérsia, Maggie e o rei Naoi ficaram no castelo de Bernard, sua mão estava junto a eles, Sabrina aproximou-se de Bernard e lhe deu um beijo na testa.
Na hora do banquete para celebrar o domínio do trono de prata, Maggie estava sentada do lado de seu irmão, sua mãe estava ao seu lado, Naoi ofereceu a sua Irma para se casar com Bernard.
-Não, eu serei solteiro.
O garoto queria desfrutar de todas as garotas de seu reino, apesar de ter beijado a grande maioria de suas conselheiras, estava claro a tristeza nos olhos da garota Maggie, e em alguns olhos na mesa se alegraram com a simples respostas, mais o que realmente o jovem rei queria era casar-se com a pessoa certa, Bernard discutia com Naoi a noite toda sobre como dominar um único continente, mais primeiro iriam dominar a Pérsia, depois iriam para a Arabia, e da Arábia dominariam o continente africano, lutando com camponeses, agricultores, pescadores e ladrões. Quando a noticia de que a batalha havia sido ganha restando apenas doze soldados, Naoi enviou uma carta para sua mão real, para que ele os envia-se mais cavaleiros, e que fizessem expedições para recrutar novos soldados, Bernard mandou duas frotas de cem mil homens para Pérsia.
-Naoi espere podemos dominar por dois caminhos diferentes a Africa.
Bernard havia pensado um pouco, depois começou a explicar que poderiam invadir Mauritânia, depois as cidade do continente africano, e também poderiam dominar pelo caminho mais extenso na Arábia, os dois lados seriam bons. Ambos os reis concordaram em dominar pelos dois lados, Naoi naquela mesma manha mandou uma segunda carta mandando as expedições para Marrocos de navio, eles partiriam de Portugal, França e Espanha com cem navios, cada navio suportava uns cento e dez homens, a batalha seria simples, Bernard ordenou que mandassem cinqüenta navios por dia depois que os primeiros navios fossem lançados, o reino de Portugal comandado por Bernard é ainda um dos melhores para construir barcos e navios.

Na manha seguinte Bernard se encontrava encostado em um dos pilares de seu grande castelo na Índia, Alice estava nas escadarias do castelo subindo-os devagar, a garota estava com seus olhos vermelhos.
-O que aconteceu?
Perguntou Bernard ficando de pé rapidamente, ela sacudiu a cabeça lentamente.
-Não foi nada.
-Ele machucou você?
Ela sacudiu a cabeça novamente.
-Então vocês terminaram.
-Sim.
Bernard tentou esconder a felicidade em seu rosto, quando ela chegou perto do garoto completamente pálida, parecia que tinha ido para o caixão e o cérebro esqueceu que morreu Bernard a levou para dentro, chamou duas de suas escravas para lhe darem um banho quente, o garoto ficou andando de um lado para o outro sem saber o que fazer quando seus soldados acordaram, ele ordenou o ataque as Arábias. Alice terminou seu banho, vestiu um roupão de cor rosa forte, ele estava amarrado em sua cintura, Luana, Sarah e Alice haviam ficado amigas, Sarah nunca gostou de Yasmin e Giovanna, Agatha se dava bem com todas as garotas dentro do castelo, Bernard até achava legal os conflitos que havia ali.
-Bernard, você ainda me ama, não é mesmo.
O garoto andou na direção de Alice com passos divagares e silenciosos.
-Sim, mais você não me ama.
-Você esta enganado, eu o amo.
-Mentira, se me amasse de verdade nunca teria indo embora.
Gritou Bernard com fúria nos olhos
-Eu não tive escolha.
-Teve sim, e você sabe.
Alicie havia caído no choro, suas lagrimas sucumbiam, quando Bernard se apressou para secá-las, Sarah estava entrando no salão, pouco antes do tremor ocorrer nas barreiras, gritos de medo vultos no ar, o chão manchado da cor vermelha, uma flecha atingiu de raspão a bochecha de Bernard, o sangue lhe escorreu no rosto como uma simples água quente, a dor não o incomodava, era o medo de que morresse seu exercito foi completamente destruído alguns de seus homens fugiram, Mayara foi morta diante dos olhos de Bernard, Agatha segurou firme o pulso do rei o sacudindo muito forte, depois os quatro amigos desapareceram no ar, Agatha, Sarah, Alice e Bernard, haviam escapado do massacre comandado por Jimmy e Otavio.
-Onde nos estamos?
Era um chalé da Senhorita Agatha, erguia-se isolado em um rochedo de onde se descortinava o mar, as paredes caídas e engasgadas de conchas. Era um lugar belo e solitário. Sempre que Bernard entrava na pequena casa ou em seu jardim, ele ouvia os movimentos constantes das ondas do mar, como a respiração de uma enorme criatura adormecida. Ele passou a maior parte dos dias seguintes dando desculpas para fugir do chalé apinhado de gente, ansiando por avistar do alto do rochedo um céu infinito e um mar vazio, e a sensação do vento frio e salgado em seu rosto.
A enormidade de sua decisão de não competir com Otavio pela posse de mais poder ainda o amedrontava. Não conseguia se lembrar de jamais ter optado por não agir. Estava roído de duvidas, duvidas que Sarah não podia deixar de dizer quando se uniam a mesa.
-E se Steven estiver morto, como você terá a chance de vencer Otavio, você precisa unir o poder dos três copiadores, o seu e de seus irmãos, mais como?
Bernard não tinha respostas: havia momentos em que se perguntava se não fora uma rematada loucura impedir Otavio dias atrás em seu massacre. Ele não conseguia sequer explicar satisfatoriamente por que se opusera a isso: cada vez que tentava reconstruir os argumentos íntimos que o levaram àquela decisão, eles lhe pareciam fracos.
O estranho era que o apoio de Alice o fazia sentir-se tão confuso quanto ás duvidas de Sarah. Agora forçada a aceitar que Otavio estava tão poderoso que acho que se compararia a um deus, este pensamento era repugnante.
-Você já mais poderia ter o detido, Bernard.
Repetia ela, todo o tempo.
-Você não poderia mesmo se pudesse, ainda não tem o poder supremo, que dizem que terás quando matar Robert.
Sentia que continuava a tatear no escuro; escolhera um caminho, mais não parava de olhar para trás, imaginando se não teria interpretado mal os sinais, se não deveria ter tomado o outro.
Ao passar dos dias, os planos para invadir o cofre que Otavio criou nos Estados Unidos da America, a fim de proteger seus bens mais preciosos, lá poderia estar o livro usado pelos copiadores, conhecido como Salazengum, este livro aumenta o poder de um copiador muito mais que o normal, os preparativos para a invasão estavam prontos; no quartinho mínimo; um único fio de cabelo negro, comprido e grosso, tirado do suéter que Sarah estava usando, Bernard percebeu que a amiga estava desarmada, o garoto deu sua própria espada para ela emprestada até que conseguisse outra.
-Pode usar a minha, eu tenho meus próprios poderes.
Sarah olhou assustada quando a manuseou a espada divagar, como se a espada fosse cortar sua própria garganta.
-Não gosto dela, parece ter sentimentos, olha que é só um monte de ferro bem polido.
Disse Sarah em voz baixa.
-A Espada de um copiador cuja pedra cristalina no punhal da vida a sua espada, para que ela perceba o seu verdadeiro dono, sim ela tem sentimentos, e outra ela pesa conforme ela quer, então não a ofenda, ela chega até cinqüenta quilos.
Sarah abriu sua boca em um tremendo “O”
-Como sabia disso tudo?
Perguntou o garoto.
-Eu leio sobre as espadas dos copiadores.
Bernard sorriu olhando nos olhos de Sarah, a porta do quarto se escancarou um garoto jovem de olhos azuis, cabelos loiros segurando um escudo magnífico com o símbolo de um dragão, era ele Maxwell, logo atrás Clara segurando sua espada simples, Yasmin vinha cantarolando pela porta seguida de um garoto, o irmão de Bernard, logo após da chegada de Steven Vinicius entra no quarto, ele parecia ser o ultimo, quando eles chegaram, a repulsa de ter perdido Mayara doeu na alma do jovem Bernard.
O jovem explicou tudo aos amigos que chegaram, estavam todos prontos para invadir o simples bancos, Agatha havia um pó mágico que fazia tudo que tocasse invisível, só havia o suficiente para cinco irem, mais Bernard disse que Clara era tão baixa que poderia ser levada nas costas dele, Maxwell não gostou muito da idéia mais teve que concordar.
Os seis amigos que iriam invadir o cofre estavam se arrumando aos poucos, Clara, Sarah, Bernard, Maxwell, Vinicius, Clara, Alice, Sarah.
Os seis jovens se encontravam na areia da praia, olhando para o chalé antes de sumirem na viagem de espaço tempo, os seis se encontravam em um beco, no final deste beco um grande banco, de cor branca, com suas paredes com leves rachaduras, suas estruturas pareciam mais uma casa antiga dos gregos, Clara olhou para Bernard.
-Então, é agora que devo subir?
Bernard se curvou para que a garota pudesse subir em suas costas, cruzando as mãos na frente de seu pescoço. Ela não era muito pesada, mais Bernard não gostou muito. Sarah atirou o pó sobre os cinco que pisavam no chão, Clara não contava como Sexto, pois ela estava conectada com o corpo de alguém, assim para o simples pó mágico Bernard teria mais de dois metros.
Alice e Sarah não precisariam do pó então Clara desceu das costas do garoto, Bernard sentiu a mão de Clara tocar-lhe a sua com suavidade, quando chegaram em um simples bar para verificar algumas coisas, um homem corcunda aproximou-se de Alice pegando em sua mão e a beijando com delicadeza.
-Madame Smith, soube que seu pai se juntou aos Pendragon, pelo que sei Sarah e você são primas agora.
Alice pareceu um pouco chocada, Sarah abriu a boca em um simples “O”, o homem feio se afastou dos garotos, Alice continuou andando para fora do bar, quando saíram do mesmo os seis garotos correram juntos para chegar até ma metade do caminho, uma mulher se jogou de joelhos no chão segurando na perna de Alice.
-Meus filhos!- berrou, uma mulher bastante ferida, sua voz era entrecortada, aguda, ela parecia louca.
A mulher se atirou sobre ela tentando matá-la, Bernard apontou a varinha para sua própria cara e mudou os traços de seu rosto, aumentando o nariz de tamanho, seus cabelos mais curtos e de cor vermelho fogo, o garoto sacudiu-se para que o pó não surtisse mais efeito sobre ele, Bernard chutou a barriga da mulher a deixando no chão com ambas as mãos sobre a barriga.
-Ora, se não é madame Pendragon, junto com a nova Pendragon.
Bernard girou nos calcanhares, Clara apertou ma mão de Maxwell por de baixo da ocultação, um feiticeiro alto e magro com densa cabeleira grisalha e um nariz longo e curvo vinha ao nosso encontro.
-É Bartolomeu Winbernight Pendragon.
Anunciou Clara para seus amigos um pouco confuso, Bernard ficou em postura de ataque em quanto andava.
-O Que você quer Bartolomeu?
Perguntou Sarah agora com os olhos quase fechados.
-Só quis cumprimentá-la.
Disse Barto
Sarah simplesmente virou-se para frente com as mãos dentro de seus jeans, Bernard segurou em seu cotovelo sussurrando no ouvido de Sarah palavras para que pudessem sair dali.
-Não dá mais Sarah, diga isto a ele. Precisamos ir, tenho muitas coisas a fazer em casa.
A garota repetiu todas as letras que Bernard ordenou, eles regressaram para a casa de uma tia de Sarah que os acolheu, mais a mulher teve que sair, então eles foram mais uma vez obrigados a seguir para o chalé das conchas.
Em algum lugar no grande labirinto de morros de areia um lobo uivou, Bernard entendeu perfeitamente que seu irmão estava pescando peixes na beira do mar, O Som pairou sobre a casa como uma bandeira de luto.
Bernard ergueu os olhos de seus livros e estremeceu, apesar de seu quarto estar quente e aconchegante. Há algo em um uivar de um lobo que tira um homem do seu aqui e agora e o deposita em uma floresta escura da mente, correndo nu na frente da matilha.
Quando o lobo gigante voltou a uivar, Bernard fechou seu pesado livro encadernado a couro com costuras mostrando seu nome, nos letreiros mostravam “A Arte da Guerra”.
Bernard cobriu um bocejo com as costas da mão direita, seu abajur ligado em quando a luz do amanhecer adentrava pelo seu lindo aposento, agora mais reconhecido, era o quarto que Agatha sua prima, construiu para ele, com o símbolo do time que torcia e seu nome gravado na parede com as corres azuis, pretas e brancas, seu time já está meio obvio era o grande Grêmio. Bernard havia passado a noite inteira lendo, nada havia de novo nisto, o jovem nunca foi de dormir muito, quando deslizou de sua cama sentiu suas pernas rígidas e doloridas. Bernard saiu de seus aposentos indo em direção a mesa do café, encheu seus pulmões de ar puro e fresco da manhã, começou sua descida divina pelas escadas de madeira, ao chegar no fim da escadaria o garoto inclinou a cabeça olhando o por do sol, e continuou seu caminho assobiando.
Uma refeição fria e triste tinha sido servida no café da manhã, Agatha estava sentada na ponta da mesa com Steven e os outros, conversando em voz baixa e abafada.
-Rudolf ainda está dormindo?
Perguntou Bernard ao sentar-se a mesa sem ser convidado, Luana o olhou com a mesma tênue expressão de desagrado que ostentava desde o dia em que Bernard a rejeitou.
-Ele não chegou a dormir, na verdade ele nem chegou em casa ainda.
-Logo chegara.
Disse Bernard com um sorriso indolente. Eram muito poucas as coisas que Bernard levava a serio, Steven conhecia muito bem essas características, e o perdoava. Durante todos os terríveis longos anos da infância, só Steven e Baratheon lhe mostraram sinal de afeto ou respeito, e Bernard fez o mesmo para os dois, os três sempre foram juntos a vida toda, por isso os dois se perdoavam pelas coisas da vida que faziam.
Um servo se aproximou divagar.

_______________________________________________________________________________


Hórus B. McLeen Keller

COORDENADOR DA ESCOLA DE MAGIA E BRUXARIA DE HOGWARTS
ESCOLADEMAGICA 2009/2013
Voltar ao Topo Ir em baixo
Alioth Merak Dornez
Sonserina
Sonserina
avatar

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 49
Experiência : 53
Idade : 19

Perfil Bruxo
Período: 1º Ano

MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   Qui 25 Abr 2013, 14:39

Li o primeiro post e está muito bom Parabéns \õ/
Voltar ao Topo Ir em baixo
Saitor Hiraga
Grifinória
Grifinória
avatar

Estado Civil : Solteiro(a)
Mensagens : 19
Experiência : 22
Idade : 23
Cidade Natal : Indefinido

Perfil Bruxo
Período: 1º Ano

MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   Qua 08 Maio 2013, 17:36

Deu Preguiça kkkk
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sarah H. Stiffler
Ministério da Magia
Ministério da Magia
avatar

Estado Civil : Namorando
Mensagens : 28
Experiência : 14
Idade : 23

Perfil Bruxo
Período: 1º Ano

MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   Ter 28 Maio 2013, 23:14

Bem que eu queria a continuação... É

_______________________________________________________________________________



Ações
Fala
Pensamentos
Fala de outra pessoa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Fanfic: Stevan   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Fanfic: Stevan
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [FANFIC] Pokémon Revolution, a jornada de Brian e Letícia.
» [Fanfic] A vida de um deus.
» [Fanfic]O Último Suspiro
» Solas and Dark ~ the Chronicles of Hazama ♣ The Rise of Dragon [Fanfic Original]
» [FANFIC] Serena Crueldade

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Off-Topic :: Área Flood-
Ir para: